Mundial de Squash cancelado por recusar israelenses

A Federação Mundial de Squash anunciou na segunda-feira que o Campeonato Mundial de Squash Masculino, agendado para a próxima semana em Kuala Lumpur, foi cancelado depois que as autoridades da Malásia se recusaram a permitir a entrada de atletas israelenses.

Em seu comunicado , a FMS afirmou que “acredita em um evento aberto e inclusivo”, e foi forçado a cancelar “devido à falta de confirmação sobre a emissão de vistos e autorizações de viagem”.

Malásia e Israel não têm laços diplomáticos e os israelenses estão proibidos de visitar o país do sul da Ásia.

Em 2019, a Malásia perdeu o direito de sediar o Campeonato Mundial de Natação Paraolímpica por ameaçar recusar atletas israelenses e a competição foi transferida para Londres.

O torneio deste ano foi transferido da Nova Zelândia para a Malásia por causa das restrições de viagens relacionadas ao coronavírus.

A presidente da FMS, Zena Wooldridge, indicou que as autoridades olímpicas da Malásia trabalharam para permitir a entrada de atletas israelenses, mas não tiveram sucesso em persuadir o governo a reverter a situação.

LEIA TAMBÉM

“Gostaria de estender meus sinceros agradecimentos ao Comitê Olímpico Internacional e ao Conselho Olímpico da Malásia por seus esforços inabaláveis ​​para influenciar as mais altas autoridades da Malásia para garantir a capacidade de todas as equipes participantes, incluindo Israel, de entrar na Malásia e competir, sem qualquer tipo de política de discriminação, de acordo com os princípios e regras da Carta Olímpica”, disse Wooldridge. “É importante para o FSM que nenhuma nação que deseja competir perca o evento.”

No início deste mês, a Associação de Squash de Israel disse que planejava recorrer ao Tribunal de Arbitragem do Esporte da Suíça se o FSM não pudesse resolver a questão.

“É uma pena que eles estejam misturando esportes com política”, disse o presidente da Associação, Aviv Bushinsky, à AFP. “Aqueles que fecham os olhos – todos os países que participam e permitem que algo assim aconteça – permitem que o racismo e a discriminação aconteçam no esporte.”

Fonte: The Times of Israel
Moshe Shai (Flash90)