IsraelNotícias

Netanyahu em Tisha Be’Av “Podemos chegar a acordos”

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu postou uma mensagem em sua conta no Twitter, ontem à tarde, antes do início jejum de Tisha Be’Av e no contexto da polêmica sobre as reformas judiciais planejadas pela coalizão.

“Na véspera de Tisha Be’Av, acredito que é possível chegar a acordos entre nós e, junto com meus amigos, estamos trabalhando para isso”, escreveu Netanyahu.

Tisha Be’Av marca a data da destruição do Primeiro e Segundo Templos de Jerusalém, que marcou o fim da primeira e segunda comunidades judaicas na Terra de Israel. De acordo com a tradição judaica, lutas internas e “ódio infundado” entre os judeus da época levaram à destruição do Segundo Templo pelo Império Romano em 70 EC.

Milhares de pessoas se reuniram nesta quarta-feira no Muro das Lamentações, em Jerusalém para Tisha Be’Av, o dia em que os judeus lamentam a destruição dos dois templos, leem o Livro das Lamentações (Megillat Eicha) e recitam kinot (poemas tristes sobre a destruição do Templo e outras tragédias que se abateram sobre a nação judaica) perto do local de destruição.

Tisha Be’Av é um dia de jejum que lembra a destruição dos dois templos e todos os outros eventos que os judeus sofreram ao longo da história. Em Tisha Be’Av, o povo de Israel se comporta como se estivesse de luto por um parente próximo que faleceu e, portanto, até mesmo o estudo da Torá é proibido, exceto para assuntos tristes, como os livros de Jeremias e Lamentações, histórias de destruição e afins. Assista aqui à explicação do professor Fabio Ehrlich: https://youtu.be/qFdvDum61ew

LEIA TAMBÉM

O presidente Isaac Herzog também fez uma chamada à unidade antes de Tisha B’Av. “Encontramo-nos em tempos extremamente difíceis. Vejo as imagens e ouço as vozes nas ruas, na Knesset e nas redes sociais. Vejo muitos israelenses que se preocupam profundamente, que são tão dedicados, que estão cheios de imensa dor, frustração e ansiedade profunda e real sobre o que está acontecendo e o que ainda está para acontecer. Eu vejo claramente e ouço com atenção, e esses sentimentos sinceros são realmente de partir o coração”.

“Com toda a honestidade, nos últimos dias eu também acordei com um profundo sentimento de frustração e uma forte sensação de crise. Eu também estou em um turbilhão de emoções. Eu também estou magoado e com raiva”.

“Como alguém que pensou que um acordo era possível e trabalhou duro o tempo todo para ajudar, construir pontes, fazer concessões, dar uma mão e colocar escadas para ajudar todos a descer da árvore, estou muito desapontado”

“Nos últimos meses, tenho alertado sobre esse momento. Eu implorei que ouvissem, estendessem a mão e assumissem a responsabilidade. Falei sobre dois lados em guerra em Israel, o potencial de violência, a polarização que nos separará, os danos sociais, econômicos e de segurança, e nossos inimigos próximos e distantes esfregando as mãos em alegria e conspirando contra nós. Hoje não há dúvida: o desafio é maior do que nunca”.

“São tempos certamente difíceis, mas com toda a dor, frustração e turbilhão de emoções, estou mais determinado do que nunca e não estou disposto a desistir ou perder a esperança. Mesmo que haja a menor possibilidade, eu e minha equipe continuaremos e trabalharemos de todas as formas possíveis para quebrar barreiras e construir pontes. Não há tarefa mais importante e missão maior para mim, como presidente e como cidadão, do que curar e reunir o povo e proteger o Estado de Israel e nossa democracia”.

“Apenas uma semana atrás, declarei perante o Congresso dos Estados Unidos que acredito na força da democracia israelense e prometi protegê-la e preservá-la a todo custo. Mantenho cada palavra minha e insisto que a democracia está profundamente enraizada no DNA de Israel”.

Herzog colocou a responsabilidade de alcançar uma solução negociada para a crise no primeiro-ministro e na coalizão governista. “Como já sublinhei, a maior responsabilidade, se não a única, de encontrar soluções que beneficiem o Estado e a sociedade como um todo recairá sempre sobre quem tem nas mãos o poder e as rédeas do governo. É assim que funciona a democracia. Espero que muito em breve as palavras de segurança se tornem ações e as mensagens de alcance se reflitam em um plano de trabalho tangível e vinculativo. Todos nós devemos entender o desafio e as consequências fatídicas”.

“Neste momento difícil, quando as apostas são tão altas, apelo a todos, aos representantes e autoridades eleitos, aos líderes da opinião pública, à mídia e a todo o público israelense em toda a sua bela diversidade e com sua multidão de crenças e opiniões e rezo, mesmo neste momento de maior dor, devemos manter os limites do debate e evitar violências e passos irreparáveis. Devemos imaginar nossas vidas comuns aqui, daqui a 40, 50 e cem anos, e como cada ação afetará nossos filhos e netos e as pontes que nos unem”.

Fonte: Revista Bras.il a partir de Noticias de Israel
Foto: Eliel Ariel

One thought on “Netanyahu em Tisha Be’Av “Podemos chegar a acordos”

  • GILSONEI HONORATO DA SILVA

    Ysrael não pode se dar o luxo de ter uma visão esquerdista dentro do pais pois o mundo se torna esquerda a cada dia e não deseja bons fluidos para Ysrael. Portanto o orgulho, o ódio deve ficar a parte e deve ser eliminado o mais breve possível de dentro dos corações dessas pessoas que focam no materialismo e nos desejos carnais dando brecha para o inimigo fortalecer cada vez mais. Am Ysrael Chay, mas para isso continuar deve haver bom senso e união para aceitarem o processo justo e viável neste momento de crise. Rezo e torço para nosso povo ao redor do mundo e em Eretz Ysrael!
    Jejum e rezas especiais sempre!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: