Irmã de soldado ferido critica politização do incidente

“Ponha a política de lado, esse não é o foco que queríamos, é inapropriado”, disse Hila Rahimi irmã de Barel, à Rádio do Exército, acrescentando que seu irmão “é um herói, um soldado que lutou com seu corpo pelo país e está entre a vida e a morte”.

Os pais do jovem ferido têm criticado fortemente a conduta do governo. Em um telefonema com o pai, o primeiro-ministro Naftali Bennett confundiu o nome de Shmueli, pelo qual ele se desculpou depois que uma gravação da conversa foi publicada.

O pai do soldado, Yossi Shmueli exortou o governo a assumir a responsabilidade e formular uma política clara sobre o uso de fogo real na fronteira com Gaza.

Shmueli pediu aos políticos que “parem de colocar as pessoas na cerca de segurança e tomem a decisão de atirar ou não. Por que não existe uma decisão clara?”

O chefe do Comando Sul das FDI, major-general Eliezer Toledano, visitou Shmueli no Soroka Medical Center em Beer Sheva, com seus pais pedindo sua renúncia.

Toledano disse que assumiu a responsabilidade pelo que aconteceu na fronteira como chefe do Comando Sul, de acordo com o site de notícias Ynet.

LEIA TAMBÉM

“Não é possível que os desordeiros tenham chegado a Barel, vocês precisavam detê-los muito antes. Tire o uniforme”, disse Shmueli à emissora pública Kan.

Investigação preliminar das Forças de Defesa de Israel (FDI) sobre o incidente que vitimou Barel Shmueli, um policial de fronteira de 21 anos, que foi baleado na cabeça durante a violência ao longo da fronteira de Gaza, encontrou uma série de erros que resultaram em manifestantes de Gaza pegando as tropas desprevenidas.

As descobertas iniciais da investigação militar sobre a violência ao longo da fronteira de Gaza no sábado indicaram que as tropas não estavam preparadas para a corrida repentina de manifestantes em direção à cerca de segurança.

Os soldados estacionados na fronteira não abriram fogo imediatamente contra as massas que de repente atacaram a cerca, com medo de atingir os civis que estavam na área, disse um militar.

De acordo com as FDI, os manifestantes se aproximaram demais da barreira de segurança, onde existe um muro de concreto atrás da qual o oficial Barel Shmueli, estava posicionado.

O muro foi construído após uma série de tumultos, 2018. No entanto, só funciona como uma posição defensiva adequada quando os manifestantes estão a uma boa distância, pois os atiradores podem atirar contra ameaças potenciais através da pequena abertura, ao mesmo tempo em que ficam protegidos do fogo do atirador inimigo e de outros ataques.

Se os manifestantes chegarem perto do muro, no entanto, os soldados israelenses do outro lado perdem efetivamente toda a visibilidade e ficam descobertos para o ataque, como parece ter ocorrido no sábado, de acordo com as investigações iniciais dos militares.

As FDI ainda não concluíram a investigação dos eventos de sábado e está analisando todos os aspectos do dia, desde como as tropas foram posicionadas ao longo da fronteira até a preparação exata para o tiroteio e como as forças responderam a isso, disse o oficial militar, acrescentando que as FDI viram o incidente como uma grave violação da soberania israelense.

O incidente ocorreu no momento em que a violência aumentou na fronteira nos últimos dias. Na segunda-feira, jatos israelenses realizaram um ataque aéreo na Faixa em resposta a balões incendiários lançados no início do dia.

Barel ainda se encontra em estado grave e milhares de israelenses têm lotado o estacionamento do hospital para recitar orações pela recuperação do soldado ferido

Os organizadores das orações pediram às pessoas que, através de um site, recitassem um capítulo de Tehilim (Salmos) e orassem pela cura Shmueli. De acordo com o site, até a manhã de hoje, 58.517 capítulos foram ditos por 21.104 pessoas. Isso é o equivalente a todo o livro dos Salmos sendo recitado 389 vezes.

Quem quiser se juntar à corrente de orações clique https://new.tehilimyahad.com/mr.jsp?r=F60QvG5ASNl

Fonte: The Times of Israel
Foto: Captura de tela

3 thoughts on “Irmã de soldado ferido critica politização do incidente

Fechado para comentários.