Museu da história armênia reabre após reforma

Cem anos depois de receber dezenas de crianças cujos pais foram mortos no genocídio armênio, um orfanato do século 19 no bairro armênio de Jerusalém reabriu suas portas como um museu que documenta a rica, embora dolorosa, história da comunidade.

O Museu Mardigian mostra a cultura armênia e fala sobre a conexão secular da comunidade com a cidade sagrada. Ao mesmo tempo, é um memorial para cerca de 1,5 milhão de armênios mortos pelos turcos otomanos por volta da Primeira Guerra Mundial, no que muitos estudiosos consideram o primeiro genocídio do século XX.

A Turquia nega que as mortes tenham constituído genocídio, dizendo que o número foi inflado e que os mortos foram vítimas de guerra civil e distúrbios.

O diretor Tzoghig Karakashian disse que o museu deve servir como “um passaporte para que as pessoas conheçam os armênios” e entendam sua parte na história de Jerusalém.

O museu reabriu no final de 2022 após um projeto de reforma de mais de cinco anos. Antes disso, o prédio, originalmente uma casa de hóspedes para peregrinos construída na década de 1850, serviu como mosteiro, orfanato para crianças que sobreviveram ao genocídio, seminário e, finalmente, um pequeno museu e biblioteca.

Jerusalém abriga uma comunidade de cerca de 6.000 armênios, muitos deles descendentes de pessoas que fugiram do genocídio. Muitos habitam em um dos bairros principais da histórica Cidade Velha, um complexo quase fechado ao lado da catedral armênia de St. James, do século XII.

LEIA TAMBÉM

Mas a ligação dos armênios com a cidade sagrada remonta a séculos, desde monges e peregrinos durante o final do Império Romano até rainhas armênias da Jerusalém cruzada.

A peça central do museu, que preenche o pátio iluminado pelo sol, é um requintado mosaico do século 5 ou 6 adornado com pássaros exóticos e vinhas descobertos em 1894 no terreno de um antigo complexo de monastério armênio. Ele traz uma inscrição em armênio dedicada ao “memorial e salvação de todos os armênios cujos nomes o Senhor conhece”.

Durante décadas, o mosaico permaneceu em um pequeno museu próximo ao Portão de Damasco, na Cidade Velha. Em 2019, a Autoridade de Antiguidades de Israel e o Patriarcado Armênio realizaram a árdua tarefa de remover o piso de mosaico e transportá-lo pela cidade para o museu recém-reformado.

De cruzes de pedra elaboradamente esculpidas conhecidas como “khachkars” a icônicos azulejos pintados e vestimentas sacerdotais, o museu exibe arte material armênia, ao mesmo tempo em que conta a história de sobrevivência armênia. Enquanto Jerusalém mudava de mãos com a ascensão e queda de impérios, os armênios permaneceram.

“Sobreviver significa não ser visto”, disse Arek Kahkedjian, um guia turístico do museu. “Sobrevivemos sem que as pessoas soubessem o que ou quem somos, e hoje sentimo-nos preparados para vos mostrar e ensinar sobre a história e o patrimônio, sobre a cultura, e mostrar-vos como avançamos e nos modernizamos com os tempos”.

Fontes: The Times of Israel e Vis A Vis
Foto: Ludvig14CC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Museu da história armênia reabre após reforma

  • 20 de janeiro de 2023 em 16:24
    Permalink

    Excelente e mais que necessária matéria. Parabéns!!!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: