Notre Dame de Paris e a conexão com o judaísmo

O mundo estava paralisado nas imagens devastadoras de chamas e nuvens de fumaça que saía do teto em chamas da Catedral de Notre Dame, no centro de Paris. Notre Dame remonta ao século 12 e mostra como era a vida oito séculos atrás. Quando foi construída, a maioria da população era analfabeta; muitas pessoas viviam no que hoje pareceria pobreza extrema. Muitos dos elaborados frisos, estátuas e vitrais serviam como uma função educacional, ilustrando histórias bíblicas e outras histórias religiosas e procurando transmitir mensagens aos cristãos da Paris medieval. Surpreendentemente, algumas das obras de arte mais proeminentes da Notre Dame diziam respeito aos judeus.

Acima da entrada principal da catedral há um friso ou escultura em relevo de dois santos cristãos: Ana e Joaquim, que se acredita serem os avós de Jesus. Como esses indivíduos eram judeus, o artista usava os judeus locais reais como modelos. Os judeus eram pouco tolerados. O rei Filipe II expulsou os judeus da França em 1182, mas em poucos anos os judeus voltaram para o país. Suas atividades foram severamente restritas: o Concílio de Latrão, convocado pelo papa Inocêncio III em 1215, proibiu judeus de exercer todas as profissões na Europa, exceto para corretagem e vender roupas velhas. À esquerda, o friso mostra o casamento de Anne e Joachim e é uma reprodução aparentemente fiel de uma sinagoga medieval francesa. O rabino conduzindo a cerimônia está envolto em um talit. Perto está uma arca contendo a Torá, livros e um Ner Tamid, a lâmpada que permanece eternamente acesa nas sinagogas.

À direita, o friso retrata Anne e Joachim trazendo uma oferenda a uma sinagoga; o artista até esculpiu um rolo de Torá apoiado em uma bima. Na época em que esse friso estava sendo esculpido, os judeus foram implacavelmente perseguidos em Paris e em outros lugares da Europa. Em 1239, o papa Gregório I ordenou que todos os livros sagrados judaicos deveriam ser destruídos. Em 3 de março de 1240, as autoridades da igreja invadiram as sinagogas em toda a França. Era um Shabat e as sinagogas estavam cheias. Os volumes sagrados do Talmude foram confiscados.

Em 17 de junho de 1242, oficiais da Igreja levaram 24 carroças cheias de volumes do Talmude, cerca de 10 mil livros, para a Place de Greve, em Paris, ao lado de Notre Dame. Lá, eles foram queimados publicamente.

Duas estátuas proeminentes na fachada de Notre Dame capturaram os sentimentos de cristãos e judeus neste momento.

As duas figuras femininas são uma personificação da Igreja e do Judaísmo: Enquanto a “Synagoga” é retratada como simples, oprimida, derrotada e vendada por uma cobra – para significar a irrelevância do judaísmo – a “Ecclesia” é majestosa, confiante, com uma coroa, um cálice e outros símbolos cristãos, representando a vitoriosa Igreja Católica.

Tão importantes eram essas alegorias de domínio cristão e humilhação judaica que quando os originais foram destruídos durante a Revolução Francesa, foram recriados.
Enquanto as autoridades francesas analisam os destroços de Notre Dame, a fachada frontal da catedral está praticamente intacta. Esses tesouros artísticos insubstituíveis que retratam a história dos judeus na França parecem salvos.

Fonte: aish.com