Novas restrições à medida que os casos aumentam

O gabinete do primeiro-ministro aprovou na quarta-feira várias novas restrições que entrarão em vigor na próxima semana, incluindo mais limites para reuniões, exigência do Passaporte Verde na maioria das instituições e negócios e novos requisitos do selo roxo em todas as lojas, limitando o número de clientes dentro do estabelecimento.

O Passaporte Verde, que limita a entrada a quem está vacinado, recuperado ou com testes negativos válidos, será aplicado a partir de 18 de agosto a quase todos os lugares, exceto o comércio. Isso inclui piscinas, academias, instituições acadêmicas, eventos esportivos e culturais, conferências e exposições, museus, bibliotecas, restaurantes e hotéis.

A limitação se aplicará a todas as pessoas com mais de 3 anos de idade. Crianças menores de 12 anos, que atualmente não são elegíveis para a vacinação, poderão fazer testes rápidos gratuitamente. Pessoas não vacinadas com mais de 12 anos precisarão pagar por seus testes.

A partir de 16 de agosto, os requisitos do Selo Roxo entrarão em vigor, limitando as lojas a um cliente por sete metros quadrados.

A participação em grandes eventos será limitada a 1.000 pessoas em espaços fechados e 5.000 em espaços abertos. Para eventos privados, as limitações do Passaporte Verde não são exigidas, mas apenas 50 pessoas serão permitidas na parte de dentro e 100 pessoas serão permitidas na parte de fora.

O biólogo computacional do Instituto de Ciências Weizmann e conselheiro do governo Eran Segal disse que apenas ampliar a elegibilidade da vacina de reforço para todas as pessoas com mais de 40 anos poderia evitar o colapso do sistema de saúde em setembro, informou o Canal 12.

LEIA TAMBÉM

Atualmente, apenas aqueles com mais de 60 anos, e grupos específicos, como os imunocomprometidos, são elegíveis para receber uma terceira dose de reforço.

O primeiro-ministro Naftali Bennett disse que o governo estaria “dando um impulso” ao sistema de saúde do país, à medida que novos casos de coronavírus continuassem a subir. Ele disse que Israel precisa se preparar para uma situação de hospitalizações em massa e está alocando NIS 2,5 bilhões (US$ 774 milhões) para ajudar a aumentar a capacidade dos hospitais em todo o país.

Bennett também disse que um esquema dos fundos de saúde (kupot cholim) para colocar os pacientes na chamada hospitalização domiciliar seria expandido de 1.000 para 1.400 leitos. O financiamento também será fornecido para adicionar equipes médicas aos fundos de saúde e centros de cuidados geriátricos.

O anúncio foi feito um dia depois que autoridades de saúde lhe mostraram números prevendo que dentro de um mês Israel poderia ver hospitais lotados com cerca de 4.800 pacientes com coronavírus, metade dos quais sofrendo de graves episódios de COVID-19.

Israel precisaria adicionar 100 médicos, 500 enfermeiros e 200 outros profissionais de saúde e pessoal de apoio a cada 10 dias para manter o ritmo, disseram as autoridades a Bennett, de acordo com um resumo da reunião publicado pelo site de notícias Ynet.

“Temos que aumentar a capacidade do hospital para ganhar tempo até que a campanha de vacinação entre em vigor e comece a conter o surto”, disse Bennett, referindo-se à campanha de Israel para fornecer doses de reforço.

Ele descreveu o movimento como “uma campanha pela saúde, mas também pela economia”, reconhecendo a tensão entre tentar reduzir o número de casos implementando restrições abrangentes e, ao mesmo tempo, manter os negócios abertos.

O ex-ministro da saúde Yuli Edelstein (Likud) atacou o atual governo por causa do tratamento da pandemia, dizendo que recebeu um país com taxa de casos quase zero e conseguiu desperdiçar rapidamente a oportunidade.

“Os especialistas são os mesmos especialistas, e o coronavírus é o mesmo coronavírus. A gestão errada e descuidada desta crise causou o que estamos vendo agora”, disse Edelstein ao Canal 13.

Questionado sobre como ele teria agido de forma diferente se ainda estivesse em seu antigo cargo, Edelstein disse que teria tomado decisões mais rapidamente, alegando que o atual governo demorou muito para agir. Edelstein acrescentou que mesmo se um bloqueio for instituído amanhã, levará várias semanas para que os casos diminuam porque o atual governo esperou muito tempo para agir.

Fonte: The Times of Israel
Foto: David Cohen (Flash90)

One thought on “Novas restrições à medida que os casos aumentam

Fechado para comentários.