Novo proprietário de El Al é um estudante de yeshivá

Eli Rozenberg, um estudante de yeshivá de 27 anos nascido em Nova York que mora em Jerusalém, tornou-se o dono da combalida companhia aérea nacional de Israel El Al na quarta-feira depois de fazer a única oferta de ações na Bolsa de Valores de Tel Aviv

A empresa Kanfei Nesharim de Rozenberg comprou uma participação de 42,85% da companhia aérea com uma oferta de US$ 150 milhões. O estado, que se comprometeu a comprar quaisquer ações indesejadas como parte de um pacote de resgate, comprou cerca de US$ 30 milhões em ações por uma participação que poderia chegar a 12% a 15% da empresa.

A emissão de ações fazia parte de um pacote de resgate de US$ 400 milhões formulado pelo Ministério das Finanças, consistindo em empréstimos garantidos pelo governo no valor total de US$ 250 milhões com garantia de 75% do empréstimo em caso de inadimplência; a oferta de ações na Bolsa de Valores de Tel Aviv a um preço mínimo de NIS 0,671 por ação para ajudar a sustentar o patrimônio da empresa, que tem mais de US$ 2 bilhões de dívida líquida; e medidas de eficiência, incluindo o corte de 2.000 trabalhadores.

Rozenberg foi um dos três compradores potenciais, incluindo David Sapir, um empresário russo-israelense envolvido em turismo e telecomunicações na Rússia, e Meir Gurvitz, um empresário britânico-israelense que tem atividades imobiliárias no Reino Unido e nos EUA.

Na quarta-feira, apenas Rozenberg fez uma oferta.

LEIA TAMBÉM

“Em primeiro lugar, Kanfei Nesharim assume a grande responsabilidade de restaurar a confiança dos passageiros e garantir o emprego de milhares de funcionários da El Al, e conduzir a companhia aérea de Israel a um futuro seguro. Ao longo dos últimos meses, Kanfei Nesharim provou sua seriedade, comprometimento e capacidade financeira para ajudar a reabilitar El Al ”, disse a empresa em um comunicado após a compra.

Ele disse que, sob nova gestão, a El Al se concentraria na “pontualidade” e na melhoria dos serviços de alimentação em todas as classes.

A já problemática companhia aérea recebeu um golpe quase fatal com a crise do coronavírus, que restringiu as viagens, fez com que a El Al interrompesse suas operações regulares de passageiros e mandasse cerca de 5.800 de seus 6.303 funcionários em licença sem vencimento.

As suas demonstrações financeiras do primeiro e do segundo trimestre do ano alertavam para a existência de “grandes dúvidas” quanto à continuidade da continuidade da empresa, com grande queda nas receitas e aumento do prejuízo.

Rozenberg, um cidadão israelense de 27 anos e estudante da yeshiva que mora em Jerusalém, já havia depositado US$ 15 milhões para a compra em uma conta fiduciária para provar sua seriedade.

O dinheiro para a transação virá do pai de Rozenberg, Kenneth (Kenny) Rozenberg, fundador e CEO da Centers Heath Care, uma rede de lares de idosos nos Estados Unidos.

Os Rozenbergs, judeus ortodoxos de Nova York, não têm experiência conhecida no ramo de aviação. De acordo com um relatório publicado no mês passado no jornal hebraico Calcalist, Kenny foi instruído por seu rabino a comprar a companhia aérea israelense.

Muitos especularam que se Eli se tornasse o novo proprietário de jure – porque ele tem cidadania israelense, uma pré-condição para propriedade da companhia aérea – o pai estará puxando os cordões.

Na verdade, no mês passado, o advogado da El Al, Avigdor Klagsbald, pediu esclarecimentos ao advogado israelense de Eli Rozenberg sobre se Eli está realmente representando seu pai e/ou outros investidores no processo de aquisição.

Klagsbald também pediu esclarecimentos sobre um acordo de US$ 1,65 milhão que a Centers Health Care, a rede de lares de idosos administrada por Kenny Rozenberg, pagou ao governo federal dos EUA e ao estado de Nova York por práticas fraudulentas de faturamento.

Essas perguntas colocaram o foco nos negócios do Rozenberg mais velho, com alguns relatos da imprensa nos Estados Unidos oferecendo um retrato desagradável de como alguns de seus lares de idosos são administrados. Esses relatórios pintam o quadro de uma empresa que adquire lares de idosos sem fins lucrativos e os transforma em máquinas com fins lucrativos – dispensando funcionários para cortar custos, alterando a proporção de trabalhadores por residentes e diluindo a qualidade do atendimento ao paciente.

Nenhum comentário imediato foi disponibilizado pelos Centros de Saúde sobre os relatórios.

Em sua correspondência com os reguladores israelenses, os representantes de Eli Rozenberg, entretanto, enfatizaram que ele, e somente ele, será o novo proprietário da El Al e que será ele, e não seu pai, quem estará administrando o negócio.

A oferta de ações e o pacote de resgate ocorrem no momento em que a empresa foi atingida pela pandemia do coronavírus, levando-a a colocar 80 por cento de seus 6.303 trabalhadores em licença sem vencimento, cortar os salários da gerência e dos diretores em 20%, interromper investimentos e assinar acordos para a venda e lease-back de três Boeing 737-800s. A empresa deve cerca de US$ 350 milhões a passageiros cujos voos foram cancelados por causa da pandemia.

A receita da companhia aérea no segundo trimestre do ano caiu 74% para US$ 152 milhões, com a empresa registrando um prejuízo líquido de cerca de US$ 105 milhões no trimestre, em comparação com um lucro líquido de US$ 100.000 no mesmo trimestre de 2019. Na primeira metade do ano, a receita caiu 53% para US$ 472 milhões contra US$ 1,01 bilhão no primeiro semestre de 2019, disse a empresa. O prejuízo líquido no primeiro semestre de 2020 aumentou 344% para US$ 244 milhões, de um prejuízo líquido de US$ 55 milhões no primeiro semestre de 2019.

Com a oferta, a Knafaim Holdings Ltd. detém 38% das ações da empresa, o Ginsburg Group detém uma participação de 8% e o público de 54%, de acordo com uma apresentação da empresa arquivada na Bolsa de Valores de Tel Aviv. Em setembro, a companhia aérea tinha uma frota de 45 aviões, 27 dos quais eram de propriedade da companhia aérea e 18 dos quais alugados. A idade média de suas aeronaves é de 9,4 anos, ante 13,7 anos em 2017.

A principal companhia aérea do país transportou 5,8 milhões de passageiros e 74.500 toneladas de carga em 2019, diz a apresentação.

Foto: El Al (Cortesia)

One thought on “Novo proprietário de El Al é um estudante de yeshivá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *