Polícia se prepara para mais violência no Monte do Templo

As Forças de Defesa de Israel (FDI) e a polícia de Israel aumentaram a presença de tropas após violentos confrontos, frustrando um “grande ataque” que ofuscou o fim do Ramadã em Jerusalém e na Judeia e Samaria.

Outros conflitos, após os que ocorreram na noite de sexta-feira são esperados para a noite de sábado, enquanto os fiéis muçulmanos se dirigiam à mesquita de al-Aqsa.

Centenas foram vistos caminhando para Jerusalém a pé na tarde de sábado, quando a Polícia de Israel parou o tráfego em direção a Jerusalém pouco antes de Laylat al-Qadr, um dia depois que os violentos confrontos eclodiram no Monte do Templo.

A polícia afirmou que parou o tráfego para investigar os passageiros de um ônibus de uma fila de ônibus que se dirigiam a Jerusalém para levar muçulmanos à mesquita de al-Aqsa.

LEIA TAMBÉM

No entanto, os ônibus permaneceram parados enquanto a polícia fazia os check-ups, de modo que os passageiros seguiram a pé. De acordo com a mídia israelense, um ônibus específico foi parado para investigação dos passageiros, deixando toda a estrada bloqueada. Após as investigações, a polícia abriu a rodovia para os viajantes a Jerusalém.

Em relação ao bloqueio da estrada, o porta-voz da polícia informou que pretendem impedir que qualquer pessoa que deseje cometer atos violentos chegue a Jerusalém.

“A Polícia de Israel respeita todas as religiões e continuará a permitir a liberdade de culto. Ao mesmo tempo, a polícia não permitirá que os manifestantes cheguem a Jerusalém com o objetivo de participar em distúrbios violentos”, concluiu o comunicado.

Laylat al-Qadr marca o dia no Islã em que se acredita que o Alcorão foi enviado ao mundo pelo céu.

As tensões aumentaram substancialmente em Jerusalém, na Judeia e Samaria e em Gaza durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã, devido ao possível despejo de palestinos de suas casas em Jerusalém no disputado bairro de Sheikh Jarrah, no leste de Jerusalém.

Conflitos violentos estouraram no Monte do Templo em Jerusalém, na sexta-feira, entre fiéis e forças de segurança, enquanto dezenas de milhares de fiéis muçulmanos se reuniam para marcar as orações da última sexta-feira do mês de jejum do Ramadã.

Pelo menos 205 palestinos e 18 oficiais israelenses ficaram feridos, gerando condenações internacionais e pedidos de calma, desde os Estados Unidos até os Emirados Árabes Unidos.

Enquanto isso, dezenas de manifestantes carregando bandeiras palestinas se reuniram na Praça do Relógio de Jaffa na noite de sábado, gritando cantos sobre a mesquita de al-Aqsa, Sheikh Jarrah e expressando oposição ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Manifestações de árabes israelenses e palestinos também ocorreram em várias localidades no sábado por causa da conduta policial na mesquita de Al-Aqsa na sexta-feira.

Duas pessoas foram presas e outra detida no sábado após uma briga no cruzamento A-Tur em Jerusalém Oriental, sob suspeita de envolvimento na violência e uso de arma. Cerca de cinco manifestantes na cidade de Umm al-Fahm também foram presos no sábado após supostamente atirarem pedras em uma delegacia de polícia.

Durante a briga, um detento supostamente disparou para o ar. Após a chegada da polícia, os suspeitos atiraram-lhes pedras, o que também os levou à prisão.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Jamal Awad (Flash90)