Príncipe herdeiro dos Emirados deseja visitar Jerusalém

O príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed bin Zayed, quer visitar Jerusalém, enquanto busca uma “paz abrangente” com Israel, disse um alto funcionário dos Emirados Árabes Unidos ao All Arab News.

Uma visita do Príncipe Herdeiro destacaria a natureza histórica do acordo de normalização recentemente firmado entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, indicando não apenas que o Estado do Golfo deseja um estado de paz entre as nações, mas uma paz “calorosa” de cooperação mútua de uma forma considerada inimaginável no Oriente Médio por décadas.

Falando ao All Arab News na terça-feira, o Dr. Ali Rashid al Nuaimi, presidente do Comitê de Defesa, Interior e Relações Exteriores do Conselho Nacional Federal dos Emirados Árabes Unidos, explicou a estratégia do Príncipe Herdeiro. “Nosso príncipe herdeiro é uma pessoa visionária. E ele tem a coragem de tomar a difícil decisão”, disse al Nuaimi.

“Ele acreditava que nós, como nação, os Emirados Árabes Unidos, deveríamos cumprir a missão do contra-extremismo na região e no mundo. […] Para isso, tínhamos que promover a paz e buscar um parceiro que acreditou na paz. E, você sabe, se você quer ter paz na região, você tem que criar paz com Israel. Este é o primeiro passo. Esta é a mensagem forte.”

A mensagem que vem dos Emirados Árabes Unidos é de inclusão, disse al Nuaimi, com o reconhecimento de que o Oriente Médio como região é o lar de muitos grupos, todos os quais têm uma reivindicação legítima de existir lá. “Judeus e cristãos – suas raízes estão nesta área e nesta região”, disse ele. “Eles pertencem aqui.”

Ele continuou, reconhecendo que o estado perpétuo de beligerância entre os grupos na região está levando a nada além de dificuldades para ambos os lados do conflito. O coroamento do acordo de normalização entre os Emirados Árabes Unidos e Israel, portanto, é a promoção da coexistência, tolerância, aceitação e diversidade dentro da região que até agora tem estado ausente da narrativa.

“É por isso que acreditamos em nossa mensagem”, disse al Nuaimi. “É uma mensagem de paz, não é um tratado político. É um tratado de coexistência. É um tratado entre duas nações. Não é um tratado relacionado apenas aos governos. Não. Acreditamos que o povo dos Emirados Árabes Unidos está pronto [… ] com o povo israelense para se unir para tentar criar um futuro melhor para ambas as nações e para toda a região. E para trabalhar juntos para levar uma mensagem de paz ao mundo. ”

Na segunda-feira, autoridades israelenses e americanas voaram para Abu Dhabi para se encontrarem com autoridades dos Emirados Árabes Unidos e discutir mais detalhes dentro do acordo. Espera-se cooperação entre as duas nações em negócios, turismo e uma abordagem conjunta para enfrentar a pandemia do coronavírus, entre outros aspectos. As autoridades dos Emirados Árabes Unidos devem voar para Washington em setembro para continuar essas negociações.

No entanto, o acordo também aprofundou um fosso crescente entre os estados árabes do Oriente Médio, à medida que os palestinos se manifestaram contra o acordo, argumentando que normalizar as relações com Israel antes que uma solução para o conflito israelense-palestino seja acordada enfraquece a mão de negociação dos palestinos. Eles foram apoiados predominantemente pelo Irã, Turquia e Qatar.

“A liderança [palestina] não está procurando uma solução”, disse al Nuaimi.

Ele argumentou que a posição palestina é contraditória – por um lado, eles afirmam ser as únicas pessoas qualificadas para falar em nome dos palestinos; por outro, querem que os Emirados Árabes Unidos pressionem Israel em seu nome.

“Nossa resposta é [esta]”, disse al Nuaimi. “Trabalhamos muito para trazer esta oportunidade para a mesa de negociações. Você [a liderança palestina] venha e sente-se com os israelenses. Você está afirmando que representa o povo palestino e não quer que ninguém fale em seu nome, então quem se sentará com os israelenses e se envolverá em uma negociação? É você!”

“Eles não acreditam no tratado de paz que já assinaram”, continuou. “O que eles estão dizendo é que você não deveria fazer um tratado de paz com Israel. Por quê? Eles fizeram isso! Eles assinaram o tratado. E estão condenando o que os Emirados Árabes Unidos fizeram. Precisamos criar uma narrativa para falar diretamente com o povo palestino, diretamente em sua mente e coração, e não deixe a mídia [do presidente palestino Mahmoud] Abbas se interpor entre nós.”

Expressando esperança de uma solução para o conflito do Oriente Médio, Al Nuaimi insistiu que a maioria do mundo árabe estava por trás do acordo – incluindo o próprio povo palestino. Somente aqueles que apoiam “organizações terroristas: Hamas, a Irmandade Muçulmana, o regime iraniano e Erdoğan” são contra, disse ele, antes de indicar que a maioria dos palestinos não se enquadrava neste grupo.

“Temos cerca de 400.000 palestinos vivendo nos Emirados Árabes Unidos por décadas. Conversamos com eles. Eles acham que fizemos a coisa certa, eles veem esperança no que estamos fazendo e apoiam muito essa iniciativa”, disse ele, acrescentando: “Acho muito importante que os israelenses também se aproximem do povo palestino diretamente para mostrar a eles o valor de se ter paz na região”.

Foto: Imre Solt (Wikimedia Commons)

One thought on “Príncipe herdeiro dos Emirados deseja visitar Jerusalém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *