Programas universitários de Israel entre os 100 melhores do mundo

Sete programas universitários de Israel foram classificados entre os 100 melhores do mundo em suas respectivas disciplinas, de acordo com o último QS World University Ranking por Assunto, publicado na quarta-feira.

A décima edição anual do ranking QS, que avaliou o desempenho de 86 programas em oito instituições israelenses de ensino superior, mostrou, entretanto, uma regressão geral para o sistema de ensino superior de Israel, em comparação com os concorrentes globais.

Quatro medidas principais foram usadas para compilar os rankings, avaliando os programas de acordo com a reputação acadêmica, a reputação do empregador, as citações por artigo e o “Índice h” – uma ferramenta para medir a produtividade das instalações de pesquisa de uma instituição. A classificação comparou mais de 13.100 programas universitários realizados por estudantes de 1.368 universidades em 83 locais em todo o mundo.

A principal universidade de Israel é a Universidade Hebraica de Jerusalém, de acordo com a pesquisa, com quatro programas classificados entre os 100 melhores em seu campo. O Departamento de Teologia, Divindade e Estudos Religiosos da Universidade Hebraica foi classificado como o 11º melhor do mundo, o único departamento entre os 20 melhores de Israel.

Cinco outros departamentos israelenses estavam na faixa dos 51 a 100 entre os líderes mundiais: Estudos de Comunicação e Mídia na Universidade Hebraica e seus programas de Filosofia; o programa de arqueologia da Universidade de Tel Aviv; o programa de Ciências Biológicas do Instituto de Ciências Weizmann; e o programa de matemática do Instituto Tecnológico Technion-Israel.

Segundo a investigação, 40 dos 86 programas classificados em Israel caíram no ranking este ano, enquanto apenas oito melhoraram suas posições. Desde 2016, a proporção dos programas mais bem classificados das universidades israelenses foi reduzida pela metade, de 0,2% para 0,1%. Um total de 37 programas permaneceu estável dentro do seu alcance e seis eram novos para pesquisa.

As instituições israelenses foram reconhecidas por seu nível de produção de conhecimento, com 60 dos 86 departamentos proeminentes que atingiram pelo menos uma pontuação de 80/100 no resultado da pesquisa. A pontuação média de empregabilidade dos graduados, com base na reputação do empregador, foi de apenas 47,4 / 100.

O diretor de pesquisa da QS, Ben Sowter, disse que o declínio de Israel nos rankings nos últimos anos se deve ao fraco desempenho nas citações de artigos – o principal indicador de impacto da investigação. A proporção dos programas de pesquisa com maior pontuação em Israel caiu para mais da metade nos últimos cinco anos, de 1,2% em 2016 para 0,5% em 2020, disse Sowter.

“Embora Israel seja um líder mundial em termos de intensidade de pesquisa – liderando o mundo em 2019 quando as nações foram classificadas com base na proporção do PIB que gastam em pesquisa e desenvolvimento – uma quantidade desproporcional desses gastos em pesquisa e desenvolvimento está concentrada em o setor de negócios, e não nas universidades de Israel”, explicou Sowter.

“A pesquisa acadêmica mostra que, em 2014, as despesas comerciais de Israel em pesquisa e desenvolvimento (BERD) foram quase seis vezes maiores que as despesas com educação superior em pesquisa e desenvolvimento (HERD). O Instituto de Tecnologia de Massachusetts foi classificado como líder mundial em 12 tabelas de assuntos, mais do que qualquer outra instituição. A Universidade de Harvard lidera em 11 disciplinas, e a Universidade de Oxford lidera em oito campos.

A Universidade de Cambridge tinha 38 programas classificados entre os melhores do mundo, mais do que qualquer outra universidade. A Universidade de Harvard (35) e a Universidade de Oxford (34) ficaram em segundo e terceiro no geral, entre os 10 melhores programas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *