Propaganda anti-israel num cinema perto de você

Um filme de propaganda do Hamas está atualmente em exibição em uma dúzia de cinemas britânicos sob o pretexto de ser um documentário da Operação Guardião das Muralhas de Israel.

“Onze dias em maio” consiste em entrevistas com as famílias de 28 crianças de 66 que foram mortas na Faixa de Gaza quando o Hamas começou a lançar foguetes em Jerusalém, em 10 de maio, e as FDI retaliaram com ataques aéreos.

No documentário, os diretores exibem fotos dos corpos das crianças após a morte o que deu ao filme uma classificação de “18 anos”.

Nenhum contexto histórico do conflito palestino-israelense é dado aos espectadores. Nada é dito sobre o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina dispararem mais de 4.000 foguetes indiscriminadamente contra Israel durante os 11 dias de combates, matando mais de uma dúzia de civis, incluindo duas crianças, e ferindo cerca de 200. Israel é enganosamente retratado como visando às crianças.

A atriz Kate Winslett, que narrou o filme, diz a certa altura: “Um avião disparou um míssil contra” dois jovens, matando-os. O filme não menciona que muitas das crianças foram mortas enquanto Israel se concentrava em alvos militares legítimos, como túneis de terror ou agentes do Hamas. As posições militares do Hamas estavam localizadas dentro da população civil, usadas como “escudos humanos”.

O documentário também mente quando diz que quatro crianças de uma única família foram mortas por foguetes terroristas que visavam Israel, mas não conseguiram. Pelo menos dois adolescentes não eram espectadores inocentes, pois de acordo com a documentação do Centro de Informações de Inteligência e Terrorismo Meir Amit, eles eram membros de organizações terroristas na Faixa.

LEIA TAMBÉM

Os críticos britânicos do The Guardian deram três estrelas ao documentário.

“Graças à inestimável pesquisa Open Source do Meir Amit Intelligence and Terrorism Information Center, há material substancial para preencher as lacunas deixadas pelo filme”, observa Jonathan Hoffman, ex-vice-presidente da Federação Sionista e ex-membro eleito da Divisão de Defesa do Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos.

“É um filme de propaganda terrorista que incita o ódio contra Israel e seus apoiadores. É mentiroso, completamente desprovido de contexto e emocionalmente manipulador e explorador”, afirmou Hoffman. “Sem dúvida, é claro que o filme será disponibilizado para as Sociedades Universitárias da Palestina gratuitamente ou a um custo nominal e que muitos menores de 18 anos o verão. E que os vice-chancelers farão vista grossa às objeções de que isso incita o ódio”.

Hoffman também destacou que o logotipo do UNICEF está nos créditos finais. “O UNICEF financiou o filme? Se assim for, há questões sérias a serem feitas no Parlamento”, disse ele.

O blogueiro da Israellycool, David Lange, observou que outra maneira de saber que o filme é um “vil festival de ódio anti-Israel” é que o famoso artista pró-BDS Roger Waters twittou para todos os seus seguidores: “Isso parte seu coração”.

Fonte: World Israel News
Foto: Twitter

One thought on “Propaganda anti-israel num cinema perto de você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.