UNHRC aprova quatro resoluções anti-Israel

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC) aprovou quatro resoluções anti-Israel e pró-Palestina, incluindo um pedido de embargo de armas limitado, ao encerrar sua 49ª sessão.

Israel foi o único país a ser cesurado várias vezes pelo UNHRC. A Rússia, que é membro do UNHRC, foi censurada apenas uma vez por sua invasão da Ucrânia, com uma resolução que foi aprovada por 32 a 2 e 13 abstenções.

Outros países – Coreia do Norte, Irã, Bielorrússia, Mianmar, Nicarágua e Síria – foram responsabilizados por abusos de direitos humanos com apenas uma resolução por país.

Israel não é um membro votante do UNHRC, mas falou várias vezes sobre o viés do UNHRC durante o processo de votação na quinta e sexta-feira.

Quando se trata de Israel, disse a embaixadora Meirav Eilon-Shahar, o conselho é uma “câmara de fantasia e ódio contra Israel”.

“O problema com esta câmara de eco é que nenhuma realidade entra, mas certamente o ódio vaza”, disse ela.

LEIA TAMBÉM

Dos quatro textos de resolução, a de “responsabilização” que falava do embargo de armas é considerada a mais controversa. Foi aprovada pelo UNHRC por 37 votos a 3, com sete abstenções.

Os três países que ficaram com Israel foram: Brasil, Malawi e os Estados Unidos, que voltaram ao conselho como membro votante este ano.

A embaixadora dos EUA na ONU, Michele Taylor, disse que o governo Biden estava “decepcionado que os Estados membros do Conselho continuem a destacar Israel desproporcionalmente e está consternado com as muitas resoluções repetitivas e unilaterais que ocorrem ano após ano”.

Os países que se abstiveram da votação sobre prestação de contas foram: Camarões, Honduras, Índia, Ilhas Marshall, Nepal, Ucrânia e Reino Unido.

Todos os países da União Europeia no conselho apoiaram o texto, incluindo França e Alemanha.

O embaixador palestino na ONU em Genebra, Ibrahim Khraishi, disse que era importante responsabilizar Israel por suas ações contra seu povo.

“Este projeto de resolução deve garantir justiça e deve responsabilizar todos aqueles que violam o direito internacional humanitário e fornecer reparação e compensação ao ente querido palestino das vítimas”.

As outras três resoluções foram votadas no item 7 da Agenda. O UNHRC tem o mandato de debater alegadas violações de direitos humanos israelenses em cada sessão. Nenhuma exigência desse tipo se aplica a nenhum outro dos 193 estados membros da ONU.

Israel e os Estados Unidos trabalharam sem sucesso para abolir o Item 7 da Agenda.

Fonte: The Jerusalem Post