Anistia divulga relatório apesar do apelo israelense

Na segunda-feira, o Ministro do Exterior, Yair Lapid, pediu à Anistia Internacional que não publique o relatório acusando Israel de apartheid, dizendo que as conclusões do grupo internacional de direitos humanos, que tem sede em Londres, são “falsas, tendenciosas e antissemitas”.

Um alto funcionário da organização rejeitou o pedido e, disse que o grupo tentou conversar com Lapid por vários meses; “É tarde demais para ele agora simplesmente nos pedir para não publicar o relatório”.

A Anistia Internacional confirmou à AFP, na segunda-feira, que o grupo de direitos humanos publicará um relatório rotulando o tratamento de Israel aos palestinos como “apartheid”, apesar dos apelos israelenses para retirá-lo.

No relatório que deve ser lançado nesta terça-feira, a Anistia se juntará ao grupo israelense de direitos humanos B’Tselem e ao Human Rights Watch na acusação de que Israel está cometendo o crime de apartheid nos territórios palestinos e contra seus cidadãos árabes.

Antecipando o lançamento, o Ministério do Exterior de Israel rejeitou o relatório, na segunda-feira,  e disse que a Anistia “nega efetivamente o direito de Israel de existir”.

“A Anistia já foi uma organização estimada que todos nós respeitávamos”, disse o ministro do Exterior, Yair Lapid, em comunicado. “Hoje, é exatamente o oposto”.

O ministério de Lapid instou a Anistia a “retirar” o documento. “Em vez de buscar fatos, a Anistia cita mentiras espalhadas por organizações terroristas”, disse Lapid. “Israel não é perfeito, mas é uma democracia comprometida com o direito internacional e aberta ao escrutínio”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM

A secretária-geral da Anistia, Agnes Callamard, em entrevista à AFP antes do lançamento do relatório, disse: “Vamos publicar o relatório hoje. Teríamos gostado de uma conversa com o ministro do Exterior quando o abordamos pela primeira vez e nos oferecemos para conversar com ele sobre o relatório, que foi em outubro”, disse Callamard. “Ele não respondeu à nossa oferta. É tarde demais para ele agora simplesmente nos pedir para não publicar o relatório.”

Lapid também acusou a Anistia de ter uma agenda antissemita. “Eu odeio usar o argumento de que se Israel não fosse um estado judeu, ninguém na Anistia ousaria argumentar contra isso, mas neste caso, não há outra possibilidade”, disse ele.

Callamard respondeu que “um crítico da prática do Estado de Israel não é absolutamente uma forma de antissemitismo”. “A Anistia Internacional se posiciona fortemente contra o antissemitismo, contra qualquer forma de racismo, denunciamos repetidamente atos antissemitas e antissemitismo de vários líderes ao redor do mundo”.

O Ministério do Exterior disse que Israel “rejeita absolutamente todas as falsas alegações que aparecem no relatório que a Anistia deve publicar hoje”.

“O relatório consolida e recicla mentiras, inconsistências e afirmações infundadas que se originam de conhecidas organizações anti-israelenses de ódio, tudo com o objetivo de revender mercadorias danificadas em novas embalagens. Repetir as mesmas mentiras de organizações de ódio repetidamente não torna as mentiras realidade, mas torna a Anistia ilegítima”.

Outras organizações judaicas e israelenses também criticaram o relatório.

O presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald S. Lauder, o chamou de “relatório unilateral e descaradamente politizado que ignora totalmente os atos de terrorismo palestinos e a obrigação de Israel de defender seus cidadãos contra tal terrorismo”.

O Fórum Jurídico Internacional (ILF, na sigla em inglês), um grupo pró-Israel, disse que o relatório é “equivalente a um ‘libelo de sangue’ contra o Estado judeu e merece ser colocado na lixeira da história antissemita”.

“Uma mentira contada mil vezes ainda é uma mentira”, continuou a declaração do ILF. “Talvez a Anistia Internacional, que foi pressionada por acusações de racismo institucionalizado, fosse mais bem servida colocando sua própria casa em ordem primeiro, antes de dar palestras em Israel.”

Fonte: The Times of Israel
Foto: Montagem com Foreign and Commonwealth OfficeCC BY 2.0 (Wikimedia Commons); Haim Zach / Government Press Office (Israel)CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons); Logo Design Love