Insultos e gritos na “convenção do apartheid” da Knesset

Parlamentares da coalizão e da oposição causaram tumulto na terça-feira, quando realizavam a polêmica conferência na Knesset “Depois de 54 anos: entre a ocupação e o apartheid”.

O evento foi organizado pelo deputado Mossi Raz, um judeu cujo partido Meretz acabou de entrar para o governo, e a deputada árabe da Lista Conjunta, Aida Touma-Suleiman.

“Há pessoas aqui que ainda se recusam a ouvir a verdade”, disse Touma-Suleiman depois que Itamar Ben-Gvir do Partido Sionismo Religioso se infiltrou na convenção e gritou com os oradores.

A convenção contou com uma disputa entre Ben-Gvir e o deputado da Lista Conjunta Ofer Cassif. Cassif amaldiçoou Ben Gvir e o chamou de “fascista”. Ben-Gvir respondeu chamando-o de “terrorista”. Essa gritaria continuou durante a convenção, interrompendo muitos dos oradores.

“Você apoia o terrorismo e sabe disso”, Ben-Gvir gritou para Touma-Suleiman.

Um dos palestrantes foi Omar Shakir, ativista do BDS e funcionário da Human Rights Watch. Shakir esteve envolvido em inúmeras iniciativas e boicotes anti-Israel. Ele participou da convenção pelo Zoom, uma vez que Israel negou a ele um visto de trabalho para entrar em Israel por causa de seu ativismo anti-Israel.

LEIA TAMBÉM

“As políticas do governo israelense têm sido de favorecer metodicamente um grupo, os judeus israelenses, e oprimir sistematicamente os palestinos em vários graus de intensidade”, disse ele. “A história definirá esta Knesset e cada membro dele, em primeiro lugar, pelo que fizeram em face dos crimes contra a humanidade”.

Raz defendeu a realização da convenção apesar da polêmica. “Esta convenção é uma homenagem aos judeus que trabalham para acabar com a ocupação e teremos justiça”, disse ele.

Organizações israelenses de direitos humanos também aproveitaram a oportunidade para denunciar as políticas do governo. “Nós cometemos esse apartheid e ele deve acabar”, disse Lior Amichai, do Yesh Din. “Na Cisjordânia, há uma força militar que atua a favor dos israelenses e contra os palestinos de formas não humanitárias”.

Ele também acusou líderes de partidos de direita, incluindo o primeiro-ministro Naftali Bennett, de querer manter os palestinos sob ocupação permanente.

Algumas pessoas não foram admitidas na convenção. Um deles era um jornalista árabe israelense chamado Yoseph Haddad, CEO da Vouch for Each Other. A organização tenta integrar os árabes israelenses à sociedade israelense, desenvolvendo uma conexão entre o país e os jovens.

“Eu sou um árabe israelense com opiniões diferentes e eles não me querem lá dentro”, disse ele ao The Jerusalem Post. “São eles que são realmente apartheid. Se ela diz que Israel é apartheid, como ela pode realizar esta reunião dentro dos muros da democracia israelense?”.

Haddad reconheceu que o conflito israelense-palestino é uma questão importante e atual. No entanto, ele disse que Touma-Suleiman falava exclusivamente dos interesses dos árabes em Gaza e na Cisjordânia, deixando de fora os árabes israelenses que a votaram na Knesset.

“Referir-se a Israel como um estado de apartheid não é correto e não é inteligente”, disse Yair Golan do Meretz.

Antes da reunião acontecer, os membros de Yesh Atid, Nova Esperança, Yamina, Yisrael Beiteinu e Azul e Branco assinaram uma carta ao presidente do Knesset, Miki Levy, pedindo-lhe que “acabasse com o envolvimento da Knesset em eventos que atuem contra o Estado de Israel, manchem seu bom nome e trabalhem com organizações antissemitas como o BDS”.

O deputado Amichai Chikli, do Yamina, denunciou o Meretz por se envolver na convenção e também pediu que ela não acontecesse.

“A equiparação de Israel como um estado de apartheid, como a África do Sul, é uma operação de sabotagem que tenta minar a existência de Israel”, escreveu ele em um comunicado. “A ideia de que a Knesset seria o anfitrião de uma convenção como esta, onde agentes do BDS podem se apresentar, é nada menos que ultrajante”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Yonatan Sindel (Flash90)

One thought on “Insultos e gritos na “convenção do apartheid” da Knesset

Fechado para comentários.