Chineses perdem licitação para metrô leve de TLV

Israel rejeitou as empresas chinesas que buscavam construir mais linhas veículo leve sobre trilhos (VLT) de Tel Aviv, após pressão dos EUA para manter Pequim fora dos projetos de infraestrutura.

A Alstom, que é francesa, e as empresas israelenses Dan e Electra venceram a licitação da Linha Verde, enquanto Shafir, que é israelense, e CAF, que é espanhola, construirão a Linha Roxa.

O anúncio foi feito pela NTA Metropolitan Mass Transit System Ltd., empresa financiada pelo governo responsável pelo planejamento e construção do metrô leve de Tel Aviv.

As licitações da Linha Verde e Roxa, para um dos maiores e mais complexos projetos de infraestrutura da história de Israel, foram vistas por autoridades em Washington como um grande teste da política desse governo israelense em relação à China.

As administrações Trump e Biden alertaram Israel nos últimos anos de que os investimentos chineses podem levar a violações de segurança. O Gabinete de Segurança de Israel, o Conselho de Segurança Nacional e outros fóruns há muito se envolvem em discussões sobre como responder às preocupações do aliado mais importante de Israel, mantendo fortes laços comerciais com a China.

Um funcionário diplomático israelense disse, no início deste mês, que Israel atualizaria o governo dos EUA sobre quaisquer grandes acordos de infraestrutura e tecnologia com a China e os reconsideraria a pedido de Washington.

“Israel está do lado americano se tiver que escolher um lado e não lutará com Washington pela China”, disse o alto funcionário diplomático, “mas prefere manter suas decisões sobre o assunto sob o radar para não perder negócios e investimentos da China”.

LEIA TAMBÉM

Um dos grupos que concorreram para a construção do VLT incluiu a China Railway Construction Company (CRCC), que o governo Biden proibiu de receber qualquer investimento dos EUA, devido a suspeitas de vínculos com a indústria de defesa chinesa. O Banco Mundial sancionou a CRCC em 2019, após alegações de fraude.

Uma de suas subsidiárias, a China Civil Engineering Construction Corp., abriu o túnel Gilon no norte de Israel em 2014 a um custo de cerca de US$ 200 milhões, trabalhou como subcontratada no projeto do túnel Carmel por cerca de US$ 150 milhões, em 2010, e vem trabalhando na Linha Vermelha do VLT de Tel Aviv com um contrato no valor de US$ 500 milhões, nos últimos anos.

A CRCC tem um histórico de “dumping”, prática comum das empresas que participam da iniciativa chinesa de expandir sua construção de infraestrutura ao redor do mundo, pela qual concorrem com prejuízo para vencer.

Sua oferta pelas Linhas Verde e Roxa de Tel Aviv foi significativamente menor do que as outras, e a NTA iniciou uma investigação em agosto de como poderia realmente fornecer os serviços necessários a um preço tão baixo.

A NTA tem experiência com essa prática, pois a empresa chinesa CRGT ultrapassou o orçamento na construção da Linha Vermelha do VLT de Tel Aviv.

A Linha Verde de 39 km e 63 estações deve ir de Rishon Lezion, passando por Holon e o centro de Tel Aviv e a Universidade de Tel Aviv até o oeste de Herzliya. Incluirá quatro estações subterrâneas e o ano-alvo para iniciar as operações é 2026.

A Linha Roxa vai do Mercado Carmel de Tel Aviv para o leste, com uma rota indo para Kiryat Ono e Universidade Bar-Ilan e a outra para Yehud. Está programada para ter 27 km de extensão com 45 estações e começar a funcionar em 2026.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: YnhockeyCC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)