Mudança na tarifa do transporte público

A ministra dos Transportes Merav Michaeli, o ministro das Finanças Avigdor Lieberman e a Diretora Geral do Ministério dos Transportes, apresentaram neste domingo a reforma “דרך שווה” ou “Caminho Justo” no transporte público, que entrará em vigor no próximo verão.

No novo plano, pessoas com 75 anos ou mais poderão usar o transporte público gratuitamente, o preço da viagem em um anel interno (normalmente uma cidade e seu entorno) será de NIS 5,50 em vez de NIS 6.

Além disso, um pacote mensal nacional custará NIS 225 e um pacote regional para um raio de até 40 km custará NIS 99. Além disso, o desconto será ampliado às pessoas com deficiência, que passarão a receber 50% em vez dos atuais 33%.

No novo modelo, será possível adquirir uma passagem para uma única viagem, uma passagem diária ou um contrato mensal em qualquer localidade do país, com tarifa uniforme de acordo com a distância da viagem e localização geográfica. A reforma “Caminho Justo” é especialmente vantajosa passageiros regulares, com dois novos contratos mensais, que fazem parte do esforço nacional para incentivar o uso do transporte público.

Um bilhete de viagem da cidade custará NIS 5,50 em cada localidade em Israel e permitirá viagens de 90 minutos com transferências ilimitadas para viagens de até 15 km. A nova permissão será válida para todo o país, e não apenas em algumas localidades como tem sido até agora. Em muitos casos, o aumento da distância também abrangerá cidades vizinhas: por exemplo, uma viagem de Rehovot a Rishon Lezion, Yavne a Ashdod ou de Akko a Nahariya será considerada uma viagem local.

As tarifas de transporte público deveriam ter sido reajustadas em cerca de 9% em 1º de fevereiro deste ano. O preço de uma viagem, por exemplo, que é de NIS 6 nas áreas metropolitanas, deveria ter subido para NIS 6,50. Na reforma, foi definido um preço uniforme do bilhete de 5,50.

LEIA TAMBÉM

Em uma coletiva de imprensa realizada na estação de trem Yitzhak Navon, em Jerusalém, a ministra dos Transportes apresentou sérias acusações contra as gestões anteriores. “Chegamos a um ministério que negligenciava o transporte público, um descaso profundo e de longa data, então os engarrafamentos se alongavam. Eu disse desde o primeiro momento que iríamos promover o transporte público porque isso nos tiraria do trânsito e diminuiria a quantidade de acidentes. Melhorar o transporte público e levar as pessoas a usá-lo também avançará nossa resposta à crise climática e reduzirá a poluição”, disse Michaeli.

A ministra Michaeli disse: “Há dois meses, deveria haver um aumento significativo nos preços do transporte público. Liguei para o ministro das Finanças e disse-lhe que deveria ser cancelado e tínhamos uma ideia de como fazê-lo. Estou feliz que o ministro de Finanças respondeu ao desafio”.

“Cada um de nós, dependendo de onde vem, paga uma tarifa diferente de transporte público por causa de uma distorção de anos”, acrescentou Michaeli. “Vamos passar de mais de 80 tarifas diferentes para apenas 5 tarifas.”

O ministro das Finanças, Avigdor Lieberman, também falou na coletiva de imprensa, acrescentando que “a essência da reforma é a justiça e a equidade, existe um critério claro e é a distância, a quilometragem. Continuaremos a trabalhar para que todos os aposentados e pensionistas possam viajar gratuitamente no transporte público”.

Lieberman disse ainda que seu gabinete já começou a trabalhar para o orçamento de 2023-2024 e que “também as outras mudanças e nosso esforço para absorver os insumos desse aumento de preços em sequência”.

Os descontos existentes para estudantes, soldados, policiais e servidores do serviço nacional serão mantidos.

Fontes: Bhol e Ministério dos Transportes
Foto: Yossi Samir (GPO)