Protesto em Tel Aviv contra política econômica

Os manifestantes criticam o apoio financeiro insuficiente a pequenos empresários e independentes, em meio à crise contínua de coronavírus; brigas, prisões relatadas como multidão dispersa

Milhares de pessoas concentraram-se na Praça Rabin, em Tel Aviv, na noite de sábado, para protestar contra o governo israelense diante da crise econômica causada pela pandemia de coronavírus, a ajuda insuficiente oferecida a pequenos empresários e profissionais nas indústrias mais afetadas, de entretenimento e hospitalidade.

Os organizadores disseram que cerca de 10 mil pessoas estavam na barulhenta, mas pacífica manifestação, no sábado à noite. A polícia disse inicialmente que restringiria o número de participantes, mas acabou ampliando a área para permitir uma multidão maior.

Na dispersão do protesto, houve brigas perto do cruzamento de Azrieli entre a polícia e os manifestantes que tentaram bloquear o tráfego, com três a cinco pessoas presas.

Apesar de os organizadores dizerem que a manifestação não seria partidária, sem políticos se dirigindo ao comício, vários cartazes chamando o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de líder corrupto foram vistos na multidão. No início da noite, manifestantes vestindo camisas com as palavras “ministro do crime” foram convidados pelos organizadores a sair, de acordo com a emissora pública Kan.

Dirigindo-se à multidão no protesto, Ahinoam Nehmad, proprietário de uma empresa de turismo doméstico, disse: “A luta começou com o bloqueio e continuou ao não receber uma compensação justa. Lutamos pelo presente, pelo nosso sustento, pela nossa dignidade como seres humanos – e isso não é uma ‘besteira’”, disse Nehmad numa resposta ao ministro do Likud Tzachi Hanegbi, que na semana passada descartou como “besteira” as afirmações de que alguns israelenses não têm dinheiro suficiente para comer em meio à crise econômica. Hanegbi depois pediu desculpas pelos comentários.

Vários políticos foram às mídias sociais para expressar seu apoio aos manifestantes, incluindo o ministro da Defesa Benny Gantz, do partido Azul e Branco, que escreveu no Facebook no sábado que os manifestantes estavam expressando “angústia real e justificada”.

“Nós, como governo, temos a responsabilidade de ouvir e fornecer soluções”, escreveu Gantz.

Antes do protesto, centenas de policiais se deslocaram para a área, pedindo aos manifestantes que aderissem às regras de distanciamento social e usassem máscaras.

Um grande número de policiais foi destacado dentro e ao redor da Praça Rabin, com alguns deles reproduzindo uma mensagem pré-gravada, lembrando aos manifestantes que seguissem as diretrizes.

Em entrevista ao Canal 13 no sábado à noite, o ministro das Finanças, Israel Katz, afirmou que “os manifestantes não têm motivos para protestar”, acrescentando que “não perdemos o controle sobre o que está acontecendo na economia”.

Em relação às reclamações que a prometida ajuda do governo demorou a chegar, Katz disse que o plano anterior, antes de assumir o ministério “era impreciso, e por isso nem todo o dinheiro chegou”. Ele prometeu que o próximo depósito do governo para independentes e pequenas empresas “chegará ao banco na terça-feira e você verá isso na sua conta na quarta-feira”.

O desemprego em Israel é de cerca de 21% – ou 850.000 pessoas – e está aumentando, à medida que as restrições são impostas em meio a novas infecções diárias por coronavírus que atingem ainda mais a economia. O desemprego no auge da pandemia atingiu mais de 25%, com mais de um milhão de israelenses desempregados.

Pessoas de variadas origens e setores econômicos estavam na manifestação no sábado, incluindo proprietários de pequenas empresas atingidas, freelancers e trabalhadores independentes, membros da indústria do entretenimento e do setor de restaurantes e hospitalidade, além de estudantes universitários. Os sindicatos estudantis disseram que participariam do evento para mostrar sua preocupação com o grande número de jovens desempregados com o fechamento.

Israel impôs um amplo bloqueio a partir de meados de março, permitindo que apenas funcionários considerados essenciais fossem ao trabalho e proibindo reuniões públicas. Locais de entretenimento foram fechados, atingindo fortemente a indústria do lazer.

Enfrentando pressão pública e econômica, o governo diminuiu as restrições no final de maio. Algumas restrições foram gradualmente reimpostas este mês, já que o número de novos casos de COVID-19 atingiu novos patamares superiores a 1.000 por dia. O número de mortos pelo vírus de Israel era de 354 até sábado.

Enquanto os trabalhadores assalariados colocados em licença recebem benefícios de desemprego, os trabalhadores independentes disseram que a maioria estava esperando meses pela ajuda governamental prometida para alcançá-los. “Há uma crise de confiança muito grave entre nós e o governo”, disse Shai Berman, um dos organizadores do protesto, à rádio pública israelense no sábado.

Enquanto Israel luta com o aumento de casos de coronavírus nas últimas semanas, Netanyahu tem enfrentado uma onda de críticas ao tratamento do governo sobre as consequências econômicas da pandemia, com pesquisas indicando crescente desaprovação de sua administração da economia.

Houve uma irritação generalizada de vários setores da economia cujos membros dizem que o governo não está fazendo o suficiente para ajudá-los a enfrentar a crise, acompanhados de indignação com o suposto desvio de direção da ajuda financeira e as complexidades burocráticas da obtenção de assistência.

Na sexta-feira, representantes de independentes e pequenos empresários atingidos pela pandemia se reuniram com Netanyahu para discutir suas queixas. O gabinete de Netanyahu descreveu a reunião de três horas como “positiva”, enquanto um advogado dos empresários a chamou de “pesada”.

Netanyahu disse aos representantes que o governo manterá suas promessas em pacotes de ajuda financeira imediata para independentes e pequenas empresas. Enquanto isso, o ministro das Finanças Israel Katz disse que a dor e a preocupação das empresas eram compreensíveis e prometeu avançar rapidamente com a legislação para permitir o apoio econômico.

O advogado Roee Cohen, presidente da Lahav, a Câmara de Organizações e Negócios Independentes de Israel, disse ao site de notícias Ynet que a reunião de sexta-feira foi “pesada” e que ele e outros representantes haviam levantado muitas questões com os planos de apoio econômico – aqueles que deveriam ser implementadas e fornecidas até agora.

Netanyahu disse na quinta-feira que o governo ordenou a aceleração dos pagamentos anteriores, que muitos disseram não ter chegado.

O primeiro-ministro disse que uma nova parcela para israelenses independentes será paga imediatamente, já na semana que vem, “sem condições ou burocracia, mesmo sem a legislação do Knesset”. Ele disse que houve dificuldades burocráticas significativas na aprovação desses pagamentos.

Outras partes do pacote de ajuda incluíam uma “rede de segurança” para funcionários assalariados e empresas, além de expandir a elegibilidade para benefícios de desemprego.

As pequenas empresas receberão até 6.000 NIS uma vez a cada dois meses, ele anunciou. As grandes empresas receberão ajuda totalizando 500.000 NIS, dependendo de quanto os negócios foram prejudicados devido à crise.

Nas últimas semanas, houve a reversão nos avanços obtidos na luta contra o coronavírus nos últimos meses. O número diário de novos casos, que havia caído para dois dígitos durante a maior parte de maio, dispararam, com um registro diário de mais de 1.600 na quinta-feira, e o número de casos ativos atingiu a maior alta histórica de 18.296 na noite de sábado.

O atual aumento de infecções semanais em Israel é um dos mais altos do mundo, de acordo com um gráfico publicado segunda-feira à tarde pelo Ministério da Saúde.

O governo aprovou esta semana uma série de novas restrições para limitar a propagação do vírus. As medidas limitaram o número de pessoas permitidas em restaurantes e sinagogas, reduziram o número de passageiros permitidos no transporte público, elevaram o valor das multas pelo não uso máscaras e fechou salões de eventos, espaços culturais, piscinas, academias, bares e boates.

 

2 thoughts on “Protesto em Tel Aviv contra política econômica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *