Restrições mais pesadas e ameaça de lockdown

O gabinete de coronavírus se reúne, hoje, para aprovar novas restrições, já que o número de casos diários do COVID-19 ultrapassou 3.000 pela primeira vez desde março.

De acordo com o Ministério da Saúde, 3.161 novos casos foram diagnosticados entre meia-noite e 22h de segunda-feira, com quase três por cento dos exames apresentando resultado positivo um dia antes.

Os ministros devem discutir as recomendações do Ministério da Saúde para restringir ainda mais as reuniões em um esforço para conter o surto de COVID-19, que foi atribuído à variante Delta de rápida propagação. Os ministros do governo também devem considerar a expansão da lista de países dos quais os passageiros – incluindo os vacinados e recuperados – devem entrar em quarentena por sete dias após sua chegada a Israel.

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, expressou preocupação na segunda-feira com o aumento contínuo de casos de coronavírus, dizendo que o próximo passo do governo seria “endurecer” algumas das regras existentes para combater o novo surto.

“A situação é preocupante. Os próximos passos serão apertar o Passaporte Verde e outras medidas, tanto quanto possível sem prejudicar a economia”, disse ele em uma coletiva de imprensa sobre o sistema que permite que os vacinados participem de eventos públicos, e conclama os israelenses a aderir às regras. “Não podemos nos tornar complacentes”, completou.

LEIA TAMBÉM

O Ministério da Saúde deve recomendar que os ministros expandam o Passaporte Verde para que ele também se aplique a crianças menores de 12 anos e em eventos internos com menos de 100 pessoas.

O gabinete deve pressionar também para que o uso de máscaras se tornem obrigatórias em uma reunião de mais de 20 pessoas, incluindo ao ar livre.

Uma reportagem do Yediot Aharanot, na manhã de segunda-feira, citou um alto funcionário do Ministério da Saúde que alertou que, a menos que os surtos da variante Delta sejam contidos em um futuro próximo e as tendências nas taxas de infecção revertidas, um novo bloqueio está praticamente garantido.

“É óbvio para todos que, se não conseguirmos obter o controle disso, estaremos caminhando para um bloqueio”, disse o funcionário.

Funcionários do Ministério da Saúde acreditam que, se o governo agir para impor um novo bloqueio, ele entrará em vigor na próxima temporada de feriados que seria durante as grandes festas de Rosh Hashaná e Yom Kipur.

Fontes: The Times of Israel e Arutz Sheva
Foto: icsilviu (Pixabay)