Ciência e TecnologiaNotícias

Sderot abre centro de tecnologia de resiliência

“Sderot é uma incubadora viva de resiliência”, diz Yigal Bracha, chefe do departamento de emprego e desenvolvimento econômico da cidade, “porque estamos em constante estado de emergência”.

Nos últimos 22 anos, os aproximadamente 32.000 residentes de Sderot sofreram o impacto de dezenas de milhares de mísseis, foguetes e outros dispositivos incendiários disparados contra Israel por terroristas da Faixa de Gaza.

Sderot tem sido chamada de “a capital mundial dos abrigos antiaéreos”, e a maioria de seus jovens sofre de sintomas de estresse pós-traumático. No entanto, sua população continua a crescer e suas instituições culturais e acadêmicas prosperam.

Tudo isso faz de Sderot o local ideal para incubar ideias de alta tecnologia que reforçam a resistência operacional e econômica das prefeituras, e a resistência emocional e física dos cidadãos, após eventos catastróficos.

A Sderot Resilience Incubator (SRI), será um centro onde os empreendedores de tecnologia de resiliência poderão usar as duas décadas de experiência da cidade para identificar e entender necessidades não atendidas, desenvolver soluções e experimentá-las.

O conceito é único. Vários centros de resiliência nos EUA são voltados principalmente para o fornecimento de energia renovável e suporte em caso de catástrofes relacionadas ao clima.

A incubadora, que está sendo construída ao lado do Sderot Resilience Center, oferecerá simuladores para treinar socorristas e médicos de saúde mental de todo o mundo para usar a tecnologia de resiliência para obter melhores resultados.

LEIA TAMBÉM

“Em Sderot, temos foguetes, mas esse é apenas um exemplo de emergência”, diz Bracha, “mas o objetivo de longo prazo é aumentar as oportunidades de empregos de alta tecnologia em Sderot, onde 90% das indústrias são de baixa tecnologia”.

Há alguns anos, ele deu uma palestra para autoridades filipinas que vieram aprender como Sderot ajuda a população civil a superar traumas. Os filipinos não sofrem ataques de foguetes, mas sofrem uma média de 25 terremotos por ano.

Além desses projetos locais, o SRI lançou uma chamada para startups e agora está escolhendo as cinco propostas mais promissoras para a primeira seleção.

Eles estão estudando tudo, desde tecnologias avançadas de comunicação municipal até tecnologias terapêuticas avançadas. Uma ideia é um “botão de acesso” que pode ser dado a populações vulneráveis para pressionar e solicitar ajuda imediata em caso de emergência.

A administração da cidade participa do processo de seleção com especialistas das FDI e da indústria.

As startups escolhidas se candidatarão a bolsas da Autoridade de Inovação de Israel. Embora o IIA normalmente conceda doações de até 50% do orçamento aprovado de uma startup, ela concede doações de 75% para startups na região de Gaza.

O centro também tem a promessa de suporte da IBM na forma de hardware, serviços em nuvem e tecnologia da informação.

“No momento, estamos olhando para o capital de risco e outras formas de investimento”, diz Ben Shitrit, CEO da SRI. “Sderot é a maior prova de conceito que podemos fazer, e podemos oferecer o modelo no exterior. A tecnologia de resistência é necessária em todo o mundo”, aponta.

Fonte: ISRAEL21c
Foto: Prefeitura Sderot (cortesia)

One thought on “Sderot abre centro de tecnologia de resiliência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo