Táxi gratuito para heróis do Holocausto

Na Polônia, onde a pensão mensal de velhice é de cerca de £ 430 (1.900 NIS ou 2.400 reais), muitos não conseguem se locomover de forma barata. Um ativista está agradecendo àqueles que salvaram os judeus, oferecendo transporte gratuito a dezenas de idosos que arriscaram suas vidas para salvar judeus durante o Holocausto.

O projeto, chamado Serviço de Táxi do Herói Silencioso (Silent Hero), mudou a vida de muitos desses idosos. A ideia é do ativista britânico-israelense Jonny Daniels, que dirige a organização From The Depths – dedicada à memória do Holocausto na Polônia. Os “Heróis Silenciosos”estão fazendo uso diário de uma comodidade que se tornou indispensável em uma cidade extensa e congestionada, com serviços de transporte público relativamente ruins.

Krystyna Kowalska, uma viúva de 88 anos que, quando adolescente, ajudou seus pais a abrigar e salvar uma família judia de quatro pessoas, chama os táxis de “milagre”. Antes de os táxis entrarem em sua vida, ela pegava vários ônibus para ir de seu pequeno apartamento na área residencial de Stary Mokotów até o cemitério onde seu filho, mãe, pai e irmão estão enterrados.

“Levaria metade do dia para chegar lá”, disse Kowalska, que foi reconhecida, em 1994, pelo Memorial do Holocausto Yad Vashem, em Israel, como um Justo entre as Nações, título dado a não-judeus que arriscaram suas vidas para salvar judeus dos nazistas genocídio. Kowalska, cujo único filho morreu, não podia pagar um táxi sem sacrificar sua escassa mesada. “Posso ir quando quiser agora”, disse Kowalska. Ela também usa o táxi para visitar os escritórios da Associação Polonesa de Justos Entre as Nações – um espaço  no centro da cidade, acessível a idosos e deficientes que funciona como um clube social.

Outro participante do Silent Hero é Jozef Walaszczyk , de 100 anos, o mais velho dos cerca de 200 Justos Entre as Nações ainda vivos na Polônia, onde 6.992 socorristas receberam o título. Ele é um ex-industrial e lutador clandestino cujo caso de amor com uma judia procurado pela Gestapo o levou a resgatá-la e a outros 52 judeus durante a ocupação nazista da Polônia.

O projeto Herói Silencioso é parte de um interesse crescente pelos justos na Polônia, que tem o maior número mundial de destinatários desse título – um quarto dos 27.362 justos reconhecidos mundialmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *