Testes da bala que matou a jornalista são inconclusivos

“Após uma análise forense extremamente detalhada, supervisionada pelo Coordenador de Segurança dos EUA (USSC), não se conseguiu chegar a uma conclusão definitiva sobre a origem da bala que matou a jornalista Shireen Abu Akleh”, de acordo com comunicado do Departamento de Estado.

“A balística determinou que a bala estava muito danificada, o que impediu uma conclusão clara”. Testes de balística podem ser realizados em balas para tentar identificar marcas de assinatura exclusivas de armas de fogo específicas.

Uma foto divulgada pela Al Jazeera supostamente da bala que matou Abu Akleh mostra que o projétil tem uma deformação estranha, embora em grande parte intacta. De acordo com a Al Jazeera, a bala teria ricocheteado no interior do capacete de Abu Akleh.

“Além da análise forense e balística, o USSC teve acesso total às investigações das FDI e da Autoridade Palestina (AP) nas últimas semanas”, disse o Departamento de Estado. “Ao reunir ambas as investigações, o USSC concluiu que um tiroo das posições das FDI provavelmente foi responsável pela morte de Shireen Abu Akleh. O USSC não encontrou motivos para acreditar que isso foi intencional, mas sim o resultado de circunstâncias trágicas durante uma operação militar liderada pelas FDI contra terroristas da Jihad Islâmica Palestina”.

Vários meios de comunicação divulgaram relatórios analisando a informação aberta sobre o evento. O Washington Post, New York Times, Bellingcat e CNN também chegaram à conclusão de que as FDI provavelmente foram responsáveis por disparar a bala. O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos também afirmou que Israel era o culpado.

As FDI não reconheceram a declaração do USSC sobre a provável culpabilidade das forças israelenses, mas disse que o chefe do Estado-Maior tenente-general Aviv Kohavi ordenou que os militares “continuassem examinando e investigando o incidente usando todos os meios disponíveis, comprometidos com a transparência e buscando a verdade”.

LEIA TAMBÉM

Após a publicação dos resultados da investigação, o ministro da Defesa, Benny Gantz, disse que a investigação continuaria.

“O sistema de defesa está empenhado em descobrir a verdade”, disse ele. “Neste caso específico, apesar da investigação forense, não foi possível chegar a uma conclusão definitiva. Infelizmente, não é possível determinar a origem do tiro e, como tal, a investigação continuará”.

Enfatizando que centenas de balas foram disparadas contra as tropas das FDI, Gantz disse que as tropas responderam “apenas na direção das fontes do tiroteio”.

Um funcionário palestino afirmou que os EUA estavam protegendo Israel.

“A verdade é clara, mas o governo dos EUA continua evitando de anunciá-la”, disse Wasel Abu Youssef, membro do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), à Reuters. “Dizemos que Israel matou Shireen Abu Akleh e deve ser responsabilizado pelo crime que cometeu”.

Embora as FDI tenham dito que ainda não possuem as informações necessárias para abrir uma investigação criminal de uma pessoa, disse na segunda-feira que “a decisão do Advogado-Geral Militar sobre a abertura de uma investigação criminal será tomada após a conclusão do o exame operacional”.

“A investigação das FDI concluíram que a fonte do tiro que levou à morte da Sra. Abu Akleh não pôde ser determinada com base nas informações disponíveis”, disse o comunicado, acrescentando que a investigação “determinada conclusivamente que nenhum soldado das FDI deliberadamente” disparou em direção a ela.

No domingo, o porta-voz militar, o brigadeiro-general Ran Kochav, disse que se o teste mostrar que “nós a matamos, assumiremos a responsabilidade”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Alisdare Hickson, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Common