EUA devolvem bala que matou Abu Akleh aos palestinos

O exame da bala que matou a jornalista da Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, foi concluído na embaixada dos EUA em Jerusalém e a bala foi devolvida às autoridades palestinas, informou a rede de notícias com sede no Catar na noite de domingo.

O ministro da Justiça palestino, Mohammed al-Shalaldeh, disse à rede que a bala foi devolvida e as autoridades agora aguardam os resultados da análise, que são esperados para segunda-feira.

Especialistas dizem que a análise balística pode lançar uma luz definitiva sobre a morte de Abu Akleh. A correspondente palestina-americana, foi morta em circunstâncias controversas em Jenin enquanto cobria um conflito em meados de maio ao lado de uma equipe de outros jornalistas.

Shalaldeh disse que uma investigação independente agora deve ser conduzida “para que possamos entender exatamente o que aconteceu, quem é o responsável e por quê”.

Como Abu Akleh tinha cidadania americana, Washington tem “o direito de solicitar esta bala com o objetivo de conduzir uma investigação ampla e imparcial sobre o assassinato… e nós, na Autoridade Palestina, saudamos isso”, disse Shalaldeh.

A Autoridade Palestina insistiu por semanas que não entregaria a bala ou conduziria uma investigação conjunta com Israel. Mas em uma reviravolta, Ramallah transferiu a bala para a embaixada dos EUA para um exame americano na noite de sábado.

Não ficou claro qual lado – o americano ou o israelense – liderou a análise, mas Israel disse no domingo que seus especialistas examinariam a bala, contestando as alegações palestinas de que só especialistas dos EUA realizariam a análise forense.

LEIA TAMBÉM

“O exame profissional israelense acontecerá na presença dos americanos. Se houver correspondência entre o projétil e as armas dos soldados israelenses, informaremos o público”, disse o porta-voz do exército israelense, Ran Kochav, à Rádio 103FM.

A Al Jazeera citou fontes palestinas que disseram que a análise foi conduzida na “presença de um especialista israelense”. A AP se recusou a enviar um especialista do lado deles.

A morte de Abu Akleh tem sido objeto de duelos de investigações por parte de Israel e da Autoridade Palestina.

Durante uma operação em maio, um tiroteio eclodiu entre tropas israelenses e atiradores palestinos. Em algum momento, Abu Akleh foi baleada na cabeça.

A investigação da Autoridade Palestina concluiu que ela havia sido baleada e morta por soldados israelenses.

Israel inicialmente culpou atiradores palestinos pelo tiroteio, mas depois reconheceu que Abu Akleh também poderia ter sido morta por soldados israelenses. As autoridades israelenses até identificaram uma arma que pode ter disparado o tiro fatal, mas dizem que não podem estabelecer definitivamente o assunto sem análise forense.

A bala foi entregue a um alto oficial militar dos EUA no sábado. O promotor-chefe da Autoridade Palestina, Akram al-Khatib, disse que especialistas em balística americanos examinariam o projétil, não Israel.

“A bala que matou Shireen Abu Akleh não será transferida para o lado israelense”, disse al-Khatib em comunicado na noite de sábado.

Mas Kochav parece ter contestado essas alegações no domingo, dizendo à Rádio do Exército que um general americano observaria a investigação israelense enquanto a bala estivesse em Israel.

“Este é um exame israelense, uma investigação israelense, com presença americana. Os palestinos que gentilmente transferiram a bala o fizeram para que houvesse uma investigação israelense com presença americana”, disse ele.

Israel se ofereceu para conduzir uma investigação conjunta com Ramallah desde que Abu Akleh foi baleada. Autoridades israelenses disseram que a análise balística para combinar a arma com a bala é necessária para determinar se um soldado israelense disparou a bala fatal.

A AP rejeitou repetidamente essas ofertas, assim como a família de Abu Akleh. Autoridades palestinas inicialmente se recusaram a compartilhar a etapa com os Estados Unidos, dizendo que compartilhariam os resultados de sua própria investigação com as partes interessadas.

Os EUA instaram Ramallah a compartilhar os resultados de sua investigação com Israel para lançar uma luz definitiva sobre o incidente.

Em uma carta pública no início de junho, um grupo bipartidário de 25 legisladores dos EUA instou o secretário de Estado Antony Blinken a pressionar a Autoridade Palestina a liberar a bala.

“Solicitamos que peça à Autoridade Palestina que forneça acesso às evidências forenses da morte de Abu Akleh para uma investigação independente, para que todas as partes possam chegar a uma conclusão definitiva sobre os eventos que levaram à sua morte e responsabilizar todas as partes”, escreveram os legisladores.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Cortesia

2 thoughts on “EUA devolvem bala que matou Abu Akleh aos palestinos

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: