Imagem de satélite para investigar morte da jornalista

As FDI devem iniciar uma nova rodada de investigações sobre a morte da repórter da Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, desta vez com foco no uso de imagens de satélite e especialistas em mapeamento.

Soldados da Unidade de Inteligência Visual 9900 do Exército com especialização em mapeamento participarão da investigação para esclarecer quem disparou a bala que matou a jornalista em 11 de maio, informou o Ynet.

O vice-chefe das operações especiais de Inteligência Militar também participará.

A reportagem disse que uma investigação criminal não era esperada, a menos que novas evidências surgissem mostrando que um soldado israelense agiu deliberadamente ou com negligência no período que antecedeu a morte de Abu Akleh.

O uso de imagens de satélite para a investigação veio após uma série de relatórios de organizações internacionais de notícias e das Nações Unidas, alegando que um soldado das FDI teria disparado a bala que matou a jornalista.

Israel inicialmente culpou atiradores palestinos pelo tiroteio, mas depois reconheceu que Abu Akleh também poderia ter sido morta por soldados israelenses.

A jornalista palestina-americana, que usava um colete com a inscrição “Press”, foi morta durante confrontos entre tropas da FDI e pistoleiros palestinos enquanto cobria uma operação do exército israelense no campo de refugiados de Jenin.

LEIA TAMBÉM

Segundo a Ynet, o exército estima que mais de 1.000 balas foram disparadas por ambos os lados durante o tiroteio em Jenin.

Oficiais militares israelenses disseram que identificaram uma arma que poderia ter disparado o tiro que matou Abu Akleh, mas essa confirmação exigiria uma análise balística para combinar a arma com a bala. Ramallah se recusou a entregar a bala a Israel e a conduzir uma investigação conjunta.

As FDI condenaram várias investigações independentes sobre a morte de Abu Akleh que concluíram que ela foi baleada por soldados israelenses, com algumas deles alegando que ela foi deliberadamente alvo. O Exército chamou as investigações internacionais de “tendenciosas”.

A ONU disse na sexta-feira que suas descobertas mostraram que o tiro que matou a jornalista da TV Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, em 11 de maio, foi disparado por forças israelenses.

De acordo com sua metodologia de monitoramento de direitos humanos, o escritório de direitos humanos da ONU inspecionou fotos, vídeos e materiais de áudio, visitou o local, consultou especialistas, revisou comunicações oficiais e entrevistou testemunhas.

As descobertas mostraram que sete jornalistas chegaram à entrada oeste do campo de refugiados de Jenin logo após as 6h “na direção das forças de segurança israelenses”, afirmou a ONU na sexta-feira.

“Os tiros que mataram Abu Akleh e feriram seu colega Ali Sammoudi vieram das forças de segurança israelenses e não de disparos indiscriminados por palestinos armados, como inicialmente alegado pelas autoridades israelenses”, disse a porta-voz do Escritório de Direitos Humanos da ONU, Ravina Shamdasani.

Ela disse que as informações analisadas vieram dos militares israelenses e do procurador-geral palestino.

“Não encontramos nenhuma informação sugerindo que houve atividade de palestinos armados nas imediações dos jornalistas”, disse Shamdasani.

Os militares israelenses rejeitaram na sexta-feira o relatório da ONU, dizendo que a investigação era falha, sem acesso a dados balísticos cruciais.

Em uma declaração intitulada “Onde está a bala”, as Forças de Defesa de Israel novamente instaram a Autoridade Palestina a entregar a bala, já que ela e os ministros questionaram a metodologia e a justiça da investigação.

“A recusa palestina em entregar a bala e em realizar uma investigação conjunta indica suas prioridades”, disse o Exército.

Embora as FDI digam que não podem afirmar conclusivamente quem atirou nela até receber a bala, reiterou que suas investigações até agora mostraram que ela com certeza não foi alvejada deliberadamente.

A veterana jornalista da Al Jazeera era um rosto familiar para milhões de telespectadores em todo o mundo árabe. Cidadã americana que possuía uma carteira de identidade emitida por Israel em Jerusalém Oriental, Abu Akleh era considerada uma correspondente pioneira, tanto para mulheres quanto para palestinos. Sua morte chocou os palestinos e provocou protestos internacionais.

A Autoridade Palestina, que conduziu sua própria investigação, imediatamente culpou os soldados israelenses pela morte. De acordo com o promotor-chefe da AP, Akram Khatib, evidências forenses e depoimentos de testemunhas oculares provaram que Abu Akleh estava fugindo quando foi deliberadamente alvejada e morta por tropas israelenses.

As autoridades israelenses rejeitaram as descobertas da Autoridade Palestina como falsas e continuaram com sua própria investigação sobre o incidente.

Fonte: The Times of Israel
Foto: שי קנדלר, CC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Imagem de satélite para investigar morte da jornalista

Fechado para comentários.