Parlamentares acusam supermercados de conluio

Um dia depois que a Autoridade da Concorrência fez uma fiscalização nos escritórios de uma importante rede de supermercados e produtora de alimentos, o Comitê de Economia da Knesset realizou um acalorado debate sobre o custo de vida.

O CEO da Shufersal, Itzhak Aberkohen, negou veementemente as alegações de que sua rede de supermercados estava em conluio com os fabricantes. Rami Levy, dono da rede de supermercados que leva seu nome, foi expulso da reunião depois de gritar com os membros da Knesset e chamá-los de populistas.

A indústria alimentícia de Israel foi submetida a um intenso escrutínio na semana passada, depois que foi revelado que a Shufersal, a maior rede de supermercados de Israel, estava oferecendo um site voltado para compradores haredim com preços mais baixos do que os de seu site de compras convencional.

Os consumidores já estão frustrados com o aumento do custo de vida, com os preços dos alimentos começando a subir significativamente pela primeira vez em uma década, e a revelação de que o Shufersal estava dando descontos em produtos de 10 a 20% para o mercado ultraortodoxo pareceu implicar que todo mundo é um “frayer” (otário) por pagar mais.

O Shufersal respondeu ao público suspendendo o site do mehadrin, mas isso inflamou ainda mais a raiva, pois o público exigiu saber por que eles estavam pagando tanto.

“Que vergonha o fechamento do site haredi”, disse deputado Uri Maklev na reunião do comitê na quarta-feira. “Depois de cavar este poço e beber dele, você está fechando em vez de dar preços iguais para todos?”

LEIA TAMBÉM

Na terça-feira, agentes da Autoridade de Concorrência estiveram nos escritórios do Shufersal, da rede de supermercados Victory, do produtor de alimentos Strauss Group e da importadora de alimentos Diplomat Holdings, alegando que eram suspeitos de violar as leis sobre a concorrência leal no mercado. Detalhes sobre as denúncias ainda não foram revelados, mas entende-se que as partes são acusadas de conluio de preços. A investigação deve continuar nos próximos dias.

Aberkohen e Levy ficaram furiosos na reunião do comitê na manhã desta quarta-feira na Knesset. Quando Aberkohen entrou na reunião, ele disse a Levy: “Não se sente perto de mim. Eles vão dizer que estamos conspirando”.

O comitê debate quem é o responsável pelo alto custo de vida em Israel , com acusações contra produtores, importadores, distribuidores e os governos atuais e anteriores.

Quando o presidente do Comitê de Economia, Michael Bitton, perguntou a Aberkohen se o Shufersal estava conspirando sobre preços com outras redes, ele respondeu com raiva: “Você é normal? Não!”

Levy disse aos parlamentares que sua margem de lucro bruto é de 21%, semelhante à da Europa e ao redor do mundo. No entanto, disse ele, os lucros operacionais estão mais baixos e os preços dos alimentos estão 50% mais altos. “Tudo aqui é caro – combustível, impostos, impostos sobre a propriedade, eletricidade”, gritou Levy. “Quem é responsável pelos altos custos não são as redes de supermercados? É o Estado”.

Depois que os parlamentares atacaram Levy, acusando-o de enganar o público, Levy se levantou e os chamou de “loucos”, momento em que Bitton o expulsou da reunião. “Você não vai falar desrespeitosamente assim aqui”, disse ele.

Ao final, o comitê se comprometeu a estudar o assunto com mais profundidade e a elaborar planos de redução do custo de vida.

Bitton prometeu que as leis de concorrência seriam aplicadas de forma mais rigorosa no futuro. “Se alguém pensa que esta investigação terminará com multas de NIS 50 milhões e uma acusação para alguém, está enganado. O comitê não permitirá mais. Investigaremos o assunto e verificaremos com as autoridades de concorrência todos os meses se há necessidade de declarar alguém como monopólio ou cartel”.

O orçamento nacional aprovado pelo governo na semana passada incluiu uma ampla lista de reformas que prometem reduzir o custo de vida, tornando mais barato e mais fácil importar bens do exterior. Enquanto isso, os preços de todos os tipos de produtos têm subido em todo o mundo nos últimos meses devido a atrasos na cadeia de abastecimento global e outros fatores relacionados à pandemia.

Os preços dos alimentos em Israel não aumentaram significativamente em cerca de uma década. Desde que um aumento nos preços do queijo cottage gerou uma espiral nos protestos em 2011 que levaram centenas de milhares de israelenses furiosos às ruas, as cadeias de supermercados temem que o custo social do aumento dos preços não valha a pena. No entanto, com os custos de produção subindo tão rapidamente, os varejistas dizem que agora não têm escolha a não ser aumentar os preços.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Noam Moscowitz (Knesset Spokesman’s Office). Ramy Levy na Knesset