Tribunal nega pedido de adiamento de Pessach

O Supremo Tribunal  de Israel nega pedido de adiamento de Pessach (“a Páscoa Judaica”) devido ao surto de coronavírus.

A Suprema Corte negou o pedido para declarar um ano bissexto judaico, a fim de adiar o feriado de Pessach por causa da pandemia do coronavírus, dizendo que não há mecanismo legal para declarar um ano bissexto devido a uma emergência e que o tribunal não tinha autoridade para tomar tal decisão.

Em um ano bissexto judaico, um mês extra, chamado Adar II, é adicionado ao calendário. Nos tempos antigos, foi declarado um ano bissexto se o mês hebraico de Nissan, quando Pessach ocorre, se desviasse muito do equinócio da primavera, se as plantações de cevada estivessem amadurecendo tarde ou se as árvores frutíferas ainda não estivessem florescendo. Outras questões, como o trabalho de infraestrutura necessário antes da peregrinação a Jerusalém ou as questões de viagem que afetam a peregrinação, também podem justificar um ano bissexto. Quando o calendário judaico foi calculado e fixado por Hillel, um estudioso judeu do século IV, através de cálculos matemáticos, os tribunais deixaram de declarar e calcular novos meses.

Yedidiah Efraim Meshulami fez o pedido de um ano bissexto judaico pelo que ele chamou de “efeitos colaterais” do surto de coronavírus. Muitos judeus temem que o seder de Pessach deste ano ocorra durante uma situação de bloqueio e possa ser mais difícil obter os alimentos e suprimentos necessários para o seder. Meshulami acreditava que uma declaração de ano bissexto poderia ajudar a evitar essa situação.

A Suprema Corte negou o pedido, dizendo que não há mecanismo legal para declarar um ano bissexto devido a uma emergência e que o tribunal não estava no nível do Sinédrio, o tribunal de mais alto nível na lei judaica e, portanto, não tinha autoridade para tomar essa decisão.

De acordo com a lei judaica, as decisões no calendário somente podem ser tomadas por rabinos que têm “semicha”, autoridade concedida a eles por outro rabino que recebeu autoridade de outro em uma cadeia que remonta a Moisés, segundo Maimônides. A cadeia foi quebrada algum tempo após a destruição do Segundo Templo em Jerusalém, o que significa que os rabinos, hoje, podem não ter autoridade para tomar tais decisões.

A Suprema Corte observou que, mesmo de acordo com a lei religiosa judaica, as reivindicações do peticionário não tinham fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *