Um em cada três israelenses se recusa a tomar Paxlovid

Um em cada três israelenses para os quais foi oferecido tratamento com a pílula COVID-19 da Pfizer, Paxlovid, se recusou a tomar a droga.

Apesar de estarem em grupos de alto risco, algumas pessoas estão se recusando a tomar o Paxlovid, sentindo que sua doença é leve demais para ser motivo de preocupação.

Israel começou a distribuir as primeiras pílulas de coronavírus para pacientes em risco no domingo. O medicamento oral Paxlovid foi aprovado pelo FDA os resultados dos testes mostraram ser muito eficaz em prevenir que a doença se torne grave.

Segundo o Canal 12, cerca de 1.000 pessoas começaram a tomar a pílula. Mas cerca de 400 pessoas se recusaram a tomá-lo, apesar de serem elegíveis.

Devido aos suprimentos iniciais limitados, apenas os pacientes considerados de alto risco podem atualmente tomar a pílula.

Doron Netzer, da Clalit, disse à TV que, em seu plano de saúde, cerca de metade dos que receberam a pílula recusou.

LEIA TAMBÉM

“Quando analisamos, descobrimos que a maioria das pessoas acredita que sua doença é leve e, por isso, mesmo estando em níveis de alto risco, se recusam a receber o tratamento”.

Tal como acontece com as vacinas, parte dessa atitude pode estar ligada ao uso de um medicamento novo e, aos olhos de algumas pessoas, não suficientemente testado (embora a emissora não tenha dito se havia alguma relação entre o status vacinal dos indivíduos e sua atitude em relação à pílula).

O Paxlovid foi desenvolvido para o tratamento em casa de pacientes infectados com COVID de alto risco com idade superior a 12 anos. A Pfizer disse ao FDA que, em um teste com 2.250 pacientes, a pílula reduziu as hospitalizações e as mortes em 89% quando administrada a pessoas com doença leve a moderada nos três primeiros dias após os sintomas. Menos de 1% dos pacientes que tomaram o medicamento foram hospitalizados e nenhum morreu no final do período de estudo de 30 dias, em comparação com 6,5% dos pacientes hospitalizados no grupo que recebeu uma pílula placebo, que incluiu nove mortes.

O Paxlovid só provou ser eficaz se administrado no prazo de cinco dias após o aparecimento dos sintomas. O tratamento consiste em três comprimidos tomados duas vezes ao dia durante cinco dias. Duas das pílulas são Paxlovid e a terceira é um antiviral diferente que ajuda a aumentar os níveis do principal medicamento no corpo.

A primeira remessa das pílulas da Pfizer, que consistiu em 20.000 doses, desembarcou em Israel na semana passada, um dos primeiros países do mundo a receber o novo medicamento.

O brasileiro israelense Simcha Neumark, de 33 anos, foi o primeiro paciente de Covid-19 a receber a pílula da Pfizer contra a doença em Israel.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

2 thoughts on “Um em cada três israelenses se recusa a tomar Paxlovid

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: