Autoridades temem mercado negro de pílula Covid

Altos funcionários do Ministério da Saúde temem que o novo medicamento COVID-19 da Pfizer acabe no mercado negro em Israel.

O Ministério da Saúde concedeu aprovação emergencial para o medicamento antiviral oral Paxlovid, na semana passada, e o primeiro carregamento de milhares de comprimidos chegou em Israel na quinta-feira.

O Paxlovid deve começar a ser administrado aos pacientes doentes nos próximos dias, informou o Canal 12.

Os pacientes que receberão o medicamento serão aqueles com sintomas leves, mas sob alto risco de uma infecção grave se a doença progredir.

Os planos de saúde enviarão equipes para distribuir os comprimidos aos pacientes que estão em quarentena em casa. A equipe médica explicará como tomar os comprimidos e os deixará com o paciente, o que significa que o paciente pode decidir não tomar o medicamento.

As autoridades de saúde temem que alguns pacientes possam decidir vender o medicamento online ou por outros meios para o maior lance, em vez de tomá-lo eles próprios, informou o Canal 12.

LEIA TAMBÉM

Os suprimentos serão limitados, pelo menos no início, então algumas pessoas podem testar positivo para o vírus, mas não se qualificar para o Paxlovid, criando uma demanda no mercado negro para a droga.

“É apenas uma questão de tempo até que haja um mercado negro aqui para o medicamento”, disse um alto funcionário ao Canal 12. “As condições são perfeitas para isso”.

Pesquisadores da Universidade Hebraica disseram no sábado que o número de casos confirmados de Omicron deve ultrapassar 20.000 na próxima semana e continuar a aumentar em meados de janeiro.

A onda de infecções e o número de pessoas que não têm as vacinas em dia devem representar um grande fardo para o sistema de saúde, relatou Walla News.

Fonte: The Times of Israel
Fotos: Canva (montagem)