Israel compra nova pílula antiviral da Pfizer

O primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, chegaram a um acordo com a empresa farmacêutica para comprar dezenas de milhares de doses sua pílula antiviral experimental contra COVID-19, noticiou o Canal 12.

O sucesso da campanha de vacinação contra o coronavírus em Israel foi em grande parte resultado da assinatura dos primeiros contratos com a Pfizer-BioNTech para imunização em massa. No entanto, com as altas taxas de vacinação de Israel, não está claro quão urgente é a necessidade imediata da medicação.

Na semana passada, a Pfizer divulgou os resultados preliminares de seu estudo da pílula em 775 adultos. Os pacientes que tomaram o medicamento da empresa junto com outro antiviral tiveram uma redução de 89% em sua taxa combinada de hospitalização ou morte após um mês, em comparação com os pacientes que tomaram um comprimido simulado. Menos de 1% dos pacientes que tomaram o medicamento precisaram ser hospitalizados e ninguém morreu. No grupo de comparação, 7% foram hospitalizados e ocorreram sete mortes.

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, disse que alguns países já assinaram contratos para o medicamento. “Estamos em negociações com 90 governos em todo o mundo agora, e alguns deles já assinaram”, disse Bourla.

Atualmente, todos os tratamentos COVID-19 usados ​​nos EUA requerem uma injeção intravenosa. A pílula COVID-19 do concorrente Merck já está sendo analisada pela Food and Drug Administration (FDA) após apresentar bons resultados iniciais e, no início deste mês, o Reino Unido se tornou o primeiro país a aprová-la.

A Pfizer disse que pedirá ao FDA e aos reguladores internacionais que autorizem sua pílula o mais rápido possível, depois que especialistas independentes recomendaram interromper o estudo da empresa devido à robustez de seus resultados. Assim que a Pfizer solicitar, o FDA poderá tomar uma decisão em semanas ou meses.

LEIA TAMBÉM

Pesquisadores em todo o mundo correram para descobrir rapidamente uma pílula COVID-19 que pode ser tomada em casa para aliviar os sintomas, acelerar a recuperação e reduzir a sobrecarga de hospitais e médicos.

“Esperávamos ter algo extraordinário, mas é raro que grandes drogas surjam com quase 90% de eficácia e 100% de proteção contra a morte”, disse o Dr. Mikael Dolsten, diretor científico da Pfizer, em uma entrevista.

Os participantes do estudo não foram vacinados, tinham COVID-19 leve a moderado e foram considerados de alto risco para hospitalização devido a problemas de saúde como obesidade, diabetes ou doenças cardíacas. O tratamento começou três a cinco dias após os sintomas iniciais e durou cinco dias.

A Pfizer revelou poucos detalhes sobre os efeitos colaterais, mas disse que as taxas de problemas eram semelhantes entre os grupos, em torno de 20%.

Um grupo independente de especialistas médicos que supervisionou o estudo recomendou interrompê-lo mais cedo, um procedimento comum quando os resultados provisórios mostram um benefício tão claro. Os dados ainda não foram divulgados para revisão por terceiros, o processo normal para examinar novas pesquisas médicas.

As principais autoridades de saúde dos EUA insistem que a vacinação continuará sendo a melhor maneira de proteger contra a infecção. No entanto, com dezenas de milhões de adultos ainda não vacinados – e muitos mais em todo o mundo -, tratamentos eficazes e fáceis de usar serão essenciais para conter futuras ondas de infecções.

O FDA agendou uma reunião pública no final deste mês para revisar a pílula da Merck, conhecida como molnupiravir.

A empresa informou em setembro que seu medicamento reduziu as taxas de hospitalização e mortalidade em 50%. Os especialistas alertam que os resultados preliminares não devem ser comparados devido às diferenças entre os estudos.

Embora a pílula da Merck esteja mais avançada no processo regulatório nos Estados Unidos, o medicamento da Pfizer poderia se beneficiar de um perfil de segurança mais conhecido pelos reguladores, com menos sinais de alerta. O medicamento da Merck age interferindo no código genético do coronavírus, uma nova abordagem para interromper o vírus.

O medicamento da Pfizer faz parte de uma família de medicamentos antivirais conhecidos há décadas como inibidores da protease, que revolucionou o tratamento do HIV e da hepatite C. Os medicamentos bloqueiam uma enzima chave que os vírus precisam para se multiplicar no corpo humano.

Fonte: Noticias de Israel
Foto: Canva

One thought on “Israel compra nova pílula antiviral da Pfizer

Fechado para comentários.