Campanha internacional para desenvolver pílulas para COVID

O Instituto de Ciência Weizmann, em Rehovot, participará de um esforço global para desenvolver medicamentos antivirais seguros, globalmente acessíveis, baratos e de fácil manufatura contra COVID-19 e futuras pandemias virais.

A iniciativa será liderada pela “The COVID Moonshot”, um consórcio sem fins lucrativos de cientistas de todo o mundo que começou como uma colaboração virtual espontânea, em março de 2020, da qual cientistas do Instituto Weizmann são membros.

Mais de 150 cientistas do Moonshot coletam ideias para compostos moleculares, modelam e avaliam in vitro contra o vírus. Seu objetivo é propor um tratamento oral sem fins lucrativos para COVID-19 e pandemias virais relacionadas, especialmente para países de baixa e média renda.

“Se os esforços de descoberta de drogas que foram lançados durante a epidemia de SARS de 2003 tivessem persistido e sido financiados até a conclusão, as drogas anticoronavírus estariam mais prontamente disponíveis quando o COVID-19 surgiu”, disse o participante do Moonshot Nir London, Cientista Sênior no Instituto Weizmann.

“Agora é a hora de planejar o futuro. Além de abordar esta pandemia atual, que não mostra sinais de desaceleração, queremos desenvolver uma ou mais moléculas antivirais de pan-coronavírus para surtos futuros. Também queremos fornecer uma plataforma aberta para acelerar o tempo de resposta quando surgem novas pandemias”, acrescentou London.

LEIA TAMBÉM

Os dados do Moonshot já estão disponíveis online para permitir que outros desenvolvam livremente seu trabalho, e o projeto já gerou mais de 50% das informações estruturais conhecidas sobre a protease principal, uma proteína-chave no SARS-CoV-2. Os primeiros ensaios clínicos são esperados para 2022.

Além do Instituto Weizmann, participam do projeto Moonshot colaboradores de grupos acadêmicos e industriais, como Diamond Light Source, a instalação científica síncrotron nacional do Reino Unido; o Nuffield Department of Medicine da University of Oxford (Reino Unido); PostEra (EUA/Reino Unido), uma empresa de química medicinal com aprendizado de máquina; o Memorial Sloan Kettering Cancer Center (EUA); vários consultores de descoberta de drogas, incluindo MedChemica Ltd (Reino Unido), Thames Pharma Partners (EUA) e Compass Business Partners (Reino Unido); e a iniciativa Drogas para Doenças Negligenciadas (Suíça), que está liderando e coordenando a iniciativa recém-financiada em direção aos estágios clínicos.

A iniciativa foi viabilizada por uma doação de £8 milhões do Covid-19 Therapeutics Accelerator, lançada pela Fundação Bill & Melinda Gates, Mastercard e a fundação de caridade internacional Wellcome, com o apoio de doadores públicos e filantrópicos.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Wikipedia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *