Vacina é menos eficaz contra cepa sul-africana

Um novo estudo da Clalit e da Universidade de Tel Aviv publicado neste sábado mostra que a eficácia da vacina Pfizer é menor contra a mutação sul-africana, em comparação com a proteção contra a cepa britânica, que é a mais comum das duas. O estudo ainda não foi revisado por pares.

“Os resultados indicam a necessidade de sequenciamento genético e monitoramento constante para novas variantes, bem como a implementação contínua de medidas não farmacêuticas”, disse o Dr. Doron Netzer, chefe de Medicina Comunitária da Clalit, que ajudou a conduzir o estudo.

O estudo rebate um relatório divulgado pela Pfizer no início deste mês, que afirmava que a vacina era 100% eficaz na prevenção do coronavírus entre os participantes testados na África do Sul, onde a mutação é prevalente.

Neste caso, o que foi mostrado no laboratório acabou ocorrendo também na vida real, disse o Prof. Adi Stern, da Escola Shmunis de Biomedicina e Pesquisa do Câncer da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade de Tel Aviv, ao The Jerusalem Post.

Especificamente, os pesquisadores examinaram cerca de 400 membros da Clalit que testaram positivo para o vírus 14 dias ou mais após receber a primeira dose da vacina, em comparação com 400 pessoas não vacinadas que também contraíram a corona. As coortes foram pareadas de acordo com a idade, setor, gênero, dentre outras características.

LEIA TAMBÉM

O estudo mostrou que a variante sul-africana tem maior probabilidade de romper o efeito protetor da vacina, mesmo depois que duas doses foram administradas e mais de uma semana tenha se passado.

Todas as amostras positivas foram submetidas a sequenciamento genético para determinar com qual variante cada pessoa foi infectada. Apenas 1% das pessoas infectadas tinham a variante sul-africana. No entanto, entre os indivíduos que foram infectados após receberem duas doses da vacina, a taxa de prevalência daqueles que tinham a variante sul-africana foi oito vezes maior do que a taxa dos indivíduos não vacinados correspondentes.

Isso significa que a vacina Pfizer não oferece o mesmo nível de proteção contra a variante sul-africana. No entanto, como poucos israelenses foram infectados, os pesquisadores disseram que não foram capazes de avaliar a redução exata na eficácia.

Stern sugeriu que a variante sul-africana tem menos transmissibilidade do que a cepa original e certamente menos do que a mutação britânica – que se mostrou ser 70% mais contagiosa do que a cepa original – e, portanto, não conseguiu se espalhar.

“Ele pode romper a vacina, mas não pode se espalhar com eficiência, então essa é a boa notícia”, disse Stern, observando que uma possível explicação é que a ampla disseminação da variante britânica bloqueou a disseminação da variante sul-africana.

Os resultados do estudo transmitem a mensagem de que Israel “tem que ter muito cuidado com os aeroportos”, advertiu Stern. “Estamos em uma posição única em Israel agora. As vacinas estão funcionando e, surpreendentemente, somos o único país do mundo onde a vida está voltando ao normal. A principal ameaça agora é o que acontecerá com as importações do aeroporto”.

Stern disse que qualquer um que entrar em Israel deve ser testado e, se estiver doente, o país deve sequenciar seus resultados para descobrir qual variante eles apresentam. Eles também devem ser efetivamente isolados.

“Não queremos importar grandes quantidades da variante sul-africana e não queremos testar o quão limitada é a transmissibilidade da variante em Israel”, advertiu Stern.

Variante britânica

O estudo também examinou a eficácia da vacina Pfizer contra a variante britânica e, mais uma vez, mostrou que a vacina funciona. No entanto, em 250 indivíduos parcialmente vacinados – o que significa que eles receberam apenas uma dose da vacina ou menos de uma semana se passou desde a segunda dose – a taxa da variante britânica foi desproporcionalmente maior em comparação com pessoas não vacinadas.

Isso significa, explicou Stern, que embora alguns estudos tenham mostrado uma forte eficácia da vacina Pfizer mesmo após a primeira dose, são necessárias duas doses para combater a variante britânica de forma mais eficaz. Ela disse que isso pode explicar por que em dezembro e janeiro, quando tantos israelenses começaram a vacinar, demorou mais do que o esperado para reduzir a taxa de infecção do país.

“As descobertas indicam que ainda não podemos considerar a pandemia como uma coisa do passado”, disse o Prof. Shay Ben-Shachar, chefe de Medicina de Precisão da Clalit Innovation. “Ainda é importante continuar o distanciamento social e o uso de máscara.

Esta semana, o Ministério da Saúde planeja discutir a permissão de israelenses não usarem máscara em áreas abertas, imediatamente após o feriado do Dia da Independência, que ocorre na quinta-feira.

Fonte: The Jerusalem Post

Foto: Canva

https://www.jpost.com/health-science/israeli-study-pfizer-covid-vaccine-less-effective-against-sa-variant-664762

One thought on “Vacina é menos eficaz contra cepa sul-africana

Fechado para comentários.