Vacina contra o vírus deve ser testada até junho

A equipe de pesquisadores do Instituto Migdal diz que está perto de concluir a produção do componente ativo da vacina para o COVID-19 e que ela deverá ser testada em humanos até 1º de junho. “Estamos nos estágios finais e, dentro de alguns dias, manteremos as proteínas – o componente ativo da vacina”, disse o Dr. Chen Katz, líder do grupo.

No final de fevereiro, o MIGAL (Instituto de Pesquisa da Galileia) comprometeu-se a concluir a produção de sua vacina em três semanas e a comercializá-la em 90 dias. Katz disse que eles estavam um pouco atrasados ​​porque levou mais tempo do que o esperado para receber a construção genética que eles encomendaram da China devido à redução dos transportes aéreos.

Nos últimos quatro anos, pesquisadores do MIGAL desenvolveram uma vacina contra o vírus da bronquite infecciosa (IBV), que causa uma doença brônquica que afeta as aves. A eficácia da vacina foi comprovada em ensaios pré-clínicos realizados no Instituto Veterinário.

“Nosso conceito básico era desenvolver a tecnologia e não especificamente uma vacina para esse ou outro tipo de vírus”, disse Katz, mas depois que os cientistas sequenciaram o DNA do novo coronavírus que causa o atual surto mundial, os pesquisadores do MIGAL o examinaram e descobriram que o coronavírus de aves estudadas tem alta similaridade genética com o humano e que usa o mesmo mecanismo de infecção, o que aumentou a probabilidade de alcançar uma vacina humana eficaz em um período muito curto de tempo.

Para garantir que chegue perto do prazo estabelecido, a MIGAL está trabalhando simultaneamente com os órgãos reguladores para garantir que o produto seja considerado seguro para testes em humanos. Ele explicou que, por se tratar de aplicação oral, “a qualidade desse tipo de vacina deve estar mais próxima das regulamentações alimentares do que das farmacêuticas ou de algum outro meio. Esperamos que não precisemos passar pelo processo completo de purificação, como na indústria farmacêutica, porque isso pode nos atrasar.”

O grupo também iniciou testes em ratos para apoiar os testes anteriores em galinhas.

Katz disse que os ensaios em humanos na Fase I seriam realizados em “indivíduos jovens e saudáveis” e provavelmente se expandiriam para a população em geral. O grupo, que é financiado em parte por uma doação de US$ 8,5 milhões do Ministério de Ciência e Tecnologia, está em contato com o Ministério da Saúde, e observou que “em termos de tecnologia, em termos de pessoal, temos tudo o que precisamos em Israel”. Ele acredita que a vacina estará disponível pela primeira vez no estado judeu

Em fevereiro, o Ministro de Ciência e Tecnologia Ofer Akunis disse que havia instruído o diretor-geral de seu ministério a acelerar todos os processos de aprovação com o objetivo de levar a vacina humana ao mercado o mais rápido possível.

Segundo Katz, cerca de 100 equipes de pesquisa em todo o mundo estão atualmente focadas no desenvolvimento de uma vacina ou tratamento para o novo vírus, incluindo vários em Israel.

Outra empresa israelense, o Instituto Israelense de Pesquisa Biológica (IIBR), também está testando um protótipo da vacina COVID-19 em roedores em seu laboratório de defesa bioquímica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *