Vala comum foi encontrada no subsolo de Treblinka

Pesquisadores do Instituto Nacional de Memória da Polônia (IPN) descobriram uma vala comum no local do campo de trabalho de Treblinka I, no centro da Polônia.

Uma investigação do terreno de Treblinka I revelou a vala comum abaixo do local de estacionamento atual, a uma profundidade de apenas 10 a 15 centímetros no subsolo. No local foram encontrados ossos de vítimas, restos de roupas e balas de tiros e metralhadoras que os nazistas usavam para matar as vítimas.

Uma equipe forense internacional, incluindo especialistas do Reino Unido, Noruega e Áustria, ajudou o IPN na primeira investigação completa da terra de Treblinka.

O promotor Andrzej Pozorski, da Comissão para processar crimes contra a nação polonesa, disse: “Nosso trabalho revelou uma tumba de 4,5 por 3,4 metros que contém restos humanos em uma área atualmente usada como estacionamento na floresta, adjacente ao local do campo de Treblinka I.”

“Neste estágio, nosso objetivo é determinar com precisão quantas sepulturas existem e qual o tamanho delas”, disse Porzorski, que acrescentou que apenas ossos foram vistos neste momento e nenhum esqueleto completo foi encontrado.

A investigação, iniciada em 12 de novembro, faz parte de uma investigação criminal conduzida pela Comissão para o julgamento de crimes contra a Polônia com sede em Szczecin por crimes contra os prisioneiros de Treblinka I.

“A investigação é totalmente profissional”, disse o professor Andrzej Ossowski, chefe da equipe forense internacional. “Queremos saber a verdade sobre Treblinka I, já que a sociedade está mais consciente do campo de Treblinka II. No entanto, no primeiro, os prisioneiros poloneses constituíam a grande maioria das vítimas.”

Treblinka I era um campo de trabalhos forçados para cidadãos poloneses. Cerca de 20.000 pessoas foram forçadas a trabalhar lá entre 1941 e 1944. Apenas cerca de 10.000 sobreviveram às condições desumanas. Os demais morreram de fome, doença ou execução.

Treblinka II foi um campo de concentração onde quase 900.000 judeus morreram nas câmaras de gás entre 23 de julho de 1942 e 19 de outubro de 1943.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *