WhatsApp se torna canal de propaganda nazista

Nove grupos de WhatsApp estão sendo acompanhados pelo site de notícias BuzzFeed News desde outubro do ano passado. Entre as mensagens estão símbolos que glorificam o Terceiro Reich e Adolf Hitler, imagens profundamente antissemitas criadas usando a função “adesivo” do WhatsApp e mensagens que buscam incitar violência e ameaças contra esquerdistas ou refugiados.

De acordo com o BuzzFeed News, os grupos têm nomes como “The German Storm” e “Ku Klux Klan International”. Os grupos comportam entre 90 e 250 usuários – limite estabelecido pelo WhatsApp.

Desde que o aplicativo de mensagens introduziu a função de adesivos na Alemanha, o Fórum Judaico pela Democracia e Contra o Antissemitismo, um grupo de defesa baseado em Berlim, vem chamando a atenção para o aumento dos adesivos com temática nazista.

Nos últimos meses, uma mensagem compartilhada em vários grupos nazistas começa com as palavras: “Você foi Hitlered. Hitler pelo menos mais cinco pessoas ou em 88 dias um judeu faminto de dinheiro roubará todo seu dinheiro e o estuprará”.

“Envie esta mensagem para todos que você conhece e contribua para a Operação White Christmas”, continua, seguida por uma enorme suástica e outra imagem de Adolf Hitler. “Para cada pessoa que você encaminha esta mensagem, um imigrante é enviado para seu país de origem”.

O BuzzFeed News catalogou mais de 200 adesivos diferentes do WhatsApp que exibem conteúdo incitante, violento ou antissemita. Alguns adesivos mostram símbolos proibidos pela lei alemã, incluindo a insígnia da SS, certas bandeiras e suásticas.

O advogado de mídia alemão Christian Solmecke disse que os usuários que enviam imagens proibidas em grupos fechados do WhatsApp não serão punidos pelas autoridades. O ódio nos grupos é frequentemente direcionado para múltiplos alvos abrangentes, incluindo judeus e muçulmanos, assim como imigrantes, relatou a reportagem do BuzzFeed News. Só nos últimos meses, os grupos espalharam o número de telefone de 30 pessoas para que elas fossem ameaçadas e assediadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *