Israel tem a maior infecção per capita do mundo

Israel apresentou os piores números de infecção diária por coronavírus per capita do mundo na última semana – uma taxa quase três vezes maior do que qualquer outro país gravemente atingido.

Em termos de contagem de casos , nos últimos sete dias, Israel teve uma média de 703 novos diagnósticos diários por milhão de cidadãos, de acordo com números do Our World In Data. A Espanha teve 234 casos confirmados por milhão de cidadãos, a França 185 e os EUA 133. Números da Universidade John Hopkins, calculados pelo Banco Nacional do Canadá, mostraram resultados semelhantes.

À medida que o Estado judeu recebe atenção de forma negativa, o especialista em estatísticas, Eran Segal, diz que o mundo deve aprender com Israel: não cometa seus erros

E embora os líderes em Jerusalém tenham se consolado com as baixas taxas de mortalidade do país, mesmo em face do aumento do número de casos, Israel agora ultrapassou os Estados Unidos e também está liderando a tabela global de mortes diárias per capita na última semana, com cerca de 3,5 mortes por milhão de cidadãos.

LEIA TAMBÉM

“Estou muito preocupado”, disse Dror Mevorach, do Centro Médico Hadassah de Jerusalém. “Vejo as pessoas, vejo as mortes, vejo a doença prolongada.”

Mevorach, chefe da divisão de medicina interna do Hadassah, disse que os jovens, assim como os idosos, devem se preocupar. “Cerca de 50% das pessoas hospitalizadas aqui no Hadassah têm menos de 60 anos”, afirmou. “E embora uma grande porcentagem das mortes seja de pessoas com mais de 70 anos, alguns pacientes mais jovens têm uma evolução prolongada da doença e podem ficar aqui por semanas.”

“A abertura de escolas foi claramente o gatilho para essas estatísticas”, disse Eran Segal, um dos principais estatísticos do COVID-19 de Israel. Ele observou que o setor ultraortodoxo iniciou os estudos em agosto e a educação regular começou em 1o de setembro, apesar dos avisos de especialistas, que argumentaram que a maioria das escolas do país deveria permanecer fechada ou, pelo menos, aquelas nas áreas mais afetadas.

“Infelizmente, não estou surpreso, previ isso há um mês”, disse Mevorach. “O problema é que o governo não reagiu aos sinais claros vistos em julho e ampliados no início de setembro.”

Ele acha que os números excessivamente elevados da semana passada refletem em parte a quebra de regras durante o Rosh Hashaná, incluindo a presença nas orações na sinagoga em algumas congregações sendo maior do que o tamanho permitido.

Mevorach acrescentou que o palco foi realmente montado durante a calmaria entre a primeira e a segunda ondas, com pessoas que participaram de grandes encontros, especialmente casamentos em comunidades árabes e ultraortodoxas, carregando uma parcela significativa da responsabilidade.

“É muito simples”, disse ele. “O povo de Israel em junho, julho e agosto cometeu vários erros, reunindo-se em casamentos e sinagogas de uma forma incompatível com a proteção contra o vírus.”

“Estávamos dizendo que os números eram estáveis e altos e todos diziam que precisávamos baixá-los, mas em vez disso tomamos medidas como abrir escolas”, comentou. E, como em outros países, a disseminação na população jovem eventualmente atinge as populações mais velhas.”

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu advertiu que o bloqueio nacional deve durar mais do que o planejado e que o número de pacientes com coronavírus gravemente enfermos em Israel ultrapassou a marca de 800 pela primeira vez. Este é um número citado no passado por autoridades de saúde como o máximo que os hospitais israelenses podem enfrentar adequadamente.

3 thoughts on “Israel tem a maior infecção per capita do mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *