“Lockdown não são férias: fique em casa!”

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, admitiu no sábado que seu governo cometeu erros ao sair do primeiro bloqueio nacional de Israel, já que o Ministério da Saúde informou que 8.315 novos casos de coronavírus foram diagnosticados na sexta-feira, um novo recorde em um único dia.

Ele também apontou o dedo para especialistas que aconselharam a abrir a economia, o Knesset por anular algumas decisões do governo e a mídia pelo que ele disse ser uma contribuição para a apatia pública ao retratar a resposta à pandemia como exagerada.

Netanyahu disse que Israel “não tinha escolha”, a não ser voltar ao confinamento, e pediu às pessoas que fiquem longe das sinagogas durante o Yom Kipur.

O ministério da Saúde disse que 62.035 testes foram realizados na sexta-feira. A proporção de testes positivos continuou a aumentar, com 12,5% de positividade na quinta-feira, 13,8% na sexta-feira e 17% no sábado.

Um novo bloqueio abrangente entrou em vigor às 14 horas de sexta-feira, embora os legisladores não tenham conseguido chegar a um acordo sobre as restrições planejadas aos protestos e orações públicas.

Segundo as novas regras, quase todas as empresas serão fechadas, com exceção de empresas e fábricas específicas designadas como “essenciais” pela Autoridade Nacional de Emergência do Ministério da Defesa, bem como supermercados e lojas de alimentos. Os restaurantes estão autorizados a operar apenas com entrega em domicílio.

A polícia estará ostensivamente nas rodovias e nas entradas das cidades para garantir que os israelenses não tentem viajar durante o bloqueio.

Em uma entrevista ao canal 13, o ministro da Saúde, Yuli Edelstein sinalizou que as medidas de bloqueio provavelmente seriam estendidas além do final de Sucot, em 9 de outubro.

Segundo o ministro: “… estamos caminhando para algumas semanas de confinamento, mas em condições diferentes. Após as primeiras duas semanas de um bloqueio ‘rígido’, na esperança de que os números caiam, lentamente vamos começar a afrouxar. Não repetiremos os erros que cometemos ao abrir tudo imediatamente”, acrescentou Edelstein, referindo-se à flexibilização das restrições após o bloqueio inicial no início deste ano.

Enquanto isso, a rede citou uma fonte não identificada dizendo que as medidas de bloqueio podem permanecer em vigor por dois meses.

Também na sexta-feira, o ministro da Defesa, Benny Gantz, anunciou que apresentou um pedido ao governo que permitiria que mais 1.000 soldados das FDI ajudassem a polícia a manter o bloqueio. Já, 1.000 soldados foram alistados como parte do esforço.

De acordo com a proposta, os militares não se envolverão em medidas coercitivas contra civis, mas ajudarão a polícia a montar bloqueios de estradas e outras logísticas.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu garantiu em um comunicado na sexta-feira que “o bloqueio não é uma punição”, mas sim uma ferramenta para proteger os israelenses.

Gamzu, responsável pelo gabinete do coronavírus, alertou contra a exploração de lacunas aparentes nas diretrizes do governo, permitindo que as manifestações continuem enquanto muitas outras coisas foram barradas. Na semana passada, a polícia disse que um grande número de ultraortodoxos israelenses se registraram para protestos em todo o país, mas que era apenas um pretexto para viajar para casa de seus parentes após comemorar o feriado de Rosh Hashaná.

O site de notícias Ynet informou na sexta-feira que cerca de 250 alunos de uma yeshivá tiveram teste positivo para o coronavírus depois de passarem o feriado de Rosh Hashaná juntos em uma sala de estudos, com cerca de 2.000 outros e que permanecem isolados desde o teste positivo.

3 thoughts on ““Lockdown não são férias: fique em casa!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *