Ativistas iraquianos pedem normalização com Israel

Centenas de líderes e ativistas iraquianos se reuniram na região do Curdistão para pedir publicamente a normalização total com Israel.

O grupo, que inclui sunitas e xiitas, jovens ativistas e líderes tribais, disse que o próximo passo após o dramático anúncio seria buscar “conversas cara a cara” com israelenses.

Os 312 homens e mulheres iraquianos fizeram suas declarações em um hotel em Erbil, capital da região do Curdistão. A conferência foi organizada pelo Center for Peace Communications, com sede em Nova York, que trabalha para promover o engajamento entre árabes e israelenses e para proteger os ativistas que apoiam a normalização, segundo o Times of Israel.

Um dos palestrantes explicou que o grupo acredita na paz com Israel “para que possamos viver em uma região estável que acabe com os conflitos. Acreditamos nisso porque queremos que nossa região seja pacífica, na qual Israel seja uma parte inseparável do todo o panorama e na qual todos os povos tenham o direito de viver em segurança”.

“Exigimos que o Iraque adira internacionalmente aos Acordos de Abraham”, escreveu Wisam al-Hardan, líder do movimento Sons of Iraq Awakening, no The Wall Street Journal na sexta-feira. “Pedimos relações diplomáticas plenas com Israel e uma nova política de desenvolvimento e prosperidade mútuos”.

O grupo Sons of Iraq Awakening foi formado, em 2005, como líderes tribais na província de Anbar e ex-oficiais do Exército iraquiano aliados com as forças dos EUA para lutar contra a Al-Qaeda.

LEIA TAMBÉM

“Alguns de nós enfrentaram o ISIS e a Al-Qaeda no campo de batalha”, escreveu Hardan. “Com sangue e lágrimas, há muito tempo demonstramos que nos opomos a todos os extremistas, sejam jihadistas sunitas ou milícias xiitas apoiadas pelo Irã. Também demonstramos nosso patriotismo: sacrificamos vidas pelo bem de um Iraque unificado, aspirando a realizar um sistema federal de governo conforme estipulado na constituição de nossa nação”.

Chamando a expulsão dos judeus do Iraque de “o ato mais infame” no declínio do país, Hardan disse que o Iraque “deve se reconectar com toda a nossa diáspora, incluindo esses judeus”.

“Rejeitamos a hipocrisia em algumas partes do Iraque que fala gentilmente dos judeus iraquianos enquanto denigre sua cidadania israelense, e do estado judeu, que lhes concedeu asilo”.

Hardan também disse que as leis do Iraque que criminalizam os contatos com israelenses são “moralmente repugnantes”.

Ele escreveu que enquanto países como Síria, Líbia, Líbano e Iêmen estão atolados em guerras, os Acordos de Abraham representam uma tendência promissora de “paz, desenvolvimento econômico e fraternidade”.

“Temos uma escolha: tirania e caos, ou legalidade, decência, paz e progresso”, escreveu ele. “A resposta é clara”.

Sete grupos de trabalho serão formados na esteira da conferência para abordar os laços entre o Iraque e sua diáspora judaica, comércio e investimento, reforma educacional, revogação de leis antinormalização, comunicações de paz na mídia iraquiana, colaborações artísticas e apoio a ativistas pela paz em outros países árabes que não reconhecem Israel.

Questionado pelo Times of Israel sobre uma resposta ao evento no Iraque, o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid disse: “O evento no Iraque é uma fonte de esperança e otimismo. Israel está sempre procurando maneiras de ampliar o círculo de paz e estamos trabalhando com amigos em todo o mundo para que isso aconteça”.

“A normalização beneficia toda a região e nos ajuda a sair do extremismo e do caos oferecido por atores negativos em direção à estabilidade, prosperidade, moderação e cooperação. O povo judeu compartilha uma profunda conexão histórica com o Iraque. Portanto, ao povo iraquiano, dizemos hoje: temos muito mais coisas que nos unem do que nos dividem e muito mais a ganhar com a paz do que com conflitos desnecessários”.

O Iraque está oficialmente em guerra com Israel e é um firme apoiador do boicote da Liga Árabe a Israel. Seus passaportes não são válidos para viagens a Israel.

Fonte: The Times of Israel
Foto: dearborn.org

One thought on “Ativistas iraquianos pedem normalização com Israel

Fechado para comentários.