FDI não abrirão investigação sobre a morte da jornalista

As Forças de Defesa de Israel não abrirão uma investigação sobre o assassinato de Shireen Abu Akleh sob a alegação de que não há suspeita de ato criminoso.

Shireen Abu Akleh foi atingida por uma bala na cabeça enquanto cobria confrontos entre soldados israelenses e atiradores palestinos em Jenin, em 11 de maio, na região da Samaria e Judeia.

“Tendo em vista a natureza da atividade operacional, que incluiu intensos combates e extensas trocas de tiros, foi decidido que não havia necessidade de abrir uma investigação da Polícia Militar nesta fase”, diz um comunicado fornecido ao The Jerusalem Post.

“A decisão foi tomada de acordo com a política investigativa da Judeia e Samaria, aprovada pela Suprema Corte, que não exige a abertura de uma investigação criminal sobre a morte de um palestino durante atividade operacional com combate real, a menos que haja suspeita real de um crime”, acrescentou o comunicado.

A decisão de iniciar uma investigação poderá ser determinada pelo setor jurídico do Exército “de acordo com as conclusões da investigação operacional ainda em andamento”, continuou o comunicado do Exército. Esta investigação está sendo liderada pelo chefe da Brigada de Comando, Coronel Meni Liberty.

Os militares disseram que entraram em Jenin para realizar prisões e foram recebidos por “disparos generalizados e descontrolados”, além de tiros precisos e dispositivos explosivos improvisados ​​lançados contra as tropas. Abu Akleh foi morta no final do ataque nos arredores de Burqin, perto de Jenin.

LEIA TAMBÉM

🧿 14/05/2022 – Israel abre investigação sobre confronto no funeral
🧿 13/05/2022 – Investigação se concentra em troca de tiros
🧿 12/05/2022 – Abbas diz que levará Israel ao TPl

De acordo com o Haaretz, houve seis casos em que as tropas israelenses abriram fogo contra palestinos armados que estavam perto de Abu Akleh.

De acordo com a investigação preliminar, embora ainda seja impossível determinar a origem da bala, havia várias possibilidades que poderiam ter levado à sua morte. Uma possibilidade seria que, como parte da tentativa de atingir as tropas, homens armados palestinos dispararam centenas de balas de vários pontos.

Outra possibilidade seria um atirador das FDI ter disparado várias balas de uma fenda especial em seu jipe ​​através de uma mira telescópica em direção aos atiradores.

“Resta a possibilidade” de que a repórter que estava perto dos atiradores “tenha sido atingida pelos tiros da força contra os terroristas”, disse o Exército, acrescentando que ela estava a cerca de 200 metros das tropas.

Todas as testemunhas palestinas, incluindo os outros jornalistas que estavam com ela, negaram que houvesse homens armados nas proximidades e culparam os soldados por atirar nela.

Embora os palestinos continuem se recusando a trabalhar com Israel sobre a investigação de sua morte, “conseguir a bala para um exame balístico profissional pode determinar entre as opções”, disse o exército.

Embora ainda não tenha sido determinado quem disparou a bala que a atingiu, sua morte provocou indignação internacional contra Israel e as Forças de Defesa de Israel.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Osps7 (Wikimedia Commons)