Abbas proíbe vacinação no Monte do Templo

Autoridades israelenses enviaram um comunicado na semana passada pedindo permissão à Autoridade Palestina e ao Waqf para que fosse instalado um posto de vacinação contra o coronavírus na área do Monte do Templo, mas o pedido foi rejeitado.

O Waqf muçulmano de Jerusalém é autoridade religiosa, afiliada à Jordânia, que administra os locais religiosos muçulmanos em Jerusalém, incluindo a mesquita Al-Aqsa, no topo do Monte do Templo, na Cidade Velha.

O objetivo da estação era vacinar principalmente os fiéis palestinos que visitavam a área. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, se opôs à ideia, afirmando que o ato daria ao governo israelense uma presença na área da mesquita de Al-Aqsa.

O pedido israelense veio após a repetida publicação de fotos nas quais mais de 10.000 pessoas podem ser vistas orando na área da mesquita todas as sextas-feiras, em desrespeito aos protocolos do COVID-19.

Depois que a proposta inicial de Israel foi recusada, uma segunda foi supostamente feita: que as vacinas fossem administradas por paramédicos israelenses árabes e não por judeus, e que eles fossem vestidos com roupas que não apresentassem marcas de estabelecimentos médicos israelenses. Essa oferta também foi recusada.

LEIA TAMBÉM

A área da mesquita no Monte do Templo, conhecida em árabe como Haram al-Sharif, é considerada um dos locais mais sensíveis do Oriente Médio, tendo importância central no conflito israelense-palestino.

O Monte do Templo é o lugar mais sagrado do Judaísmo e a mesquita de al-Aqsa é o terceiro santuário mais sagrado do Islã.

As forças de segurança israelenses estão presentes no Monte e trabalham em coordenação com o Waqf. Os judeus têm permissão para visitar, mas, ao contrário dos muçulmanos, são estritamente proibidos de orar nos terrenos do Monte do Templo.

O local sagrado gerou várias ondas de violência e terrorismo em Israel e nos territórios palestinos. Mais notavelmente, a Segunda Intifada, uma onda de ataques e atentados suicidas palestinos e outros atos de terrorismo, começou após uma visita de Ariel Sharon ao Monte do Templo, em 2000.

Uma onda de terrorismo em 2015-2016, caracterizada principalmente por ataques de facas, foi considerada como estando ligada a uma crença comum entre os palestinos, negada por Israel, de que Israel tinha a intenção de mudar o status quo no Monte do Templo.

Israel recebeu milhões de doses da vacina COVID-19, a maioria adquirida da farmacêutica Pfizer. A Autoridade Palestina, que controla partes da Cisjordânia, e o grupo terrorista Hamas, que governa a Faixa de Gaza, receberam pequenas quantidades. A discrepância surge em meio à controvérsia sobre a suposta responsabilidade de Israel pela inoculação da população palestina.

A AP afirma que Israel é responsável por suas necessidades de vacinas. O governo israelense diz que os palestinos são responsáveis ​​por suas próprias necessidades médicas, incluindo vacinas, com base nos Acordos de Oslo de 1993, mas expressou a vontade de ajudar a AP mais amplamente nesta frente, uma vez que a população israelense esteja totalmente vacinada.

Até agora, cerca de metade da população israelense, cerca de 4,5 milhões de pessoas, recebeu pelo menos uma injeção de vacina.

Foto: Sliman Khader (Flash90)

One thought on “Abbas proíbe vacinação no Monte do Templo

Fechado para comentários.