Amazon remove roupas com fotos do Holocausto

Os sites da Amazon na França e no Reino Unido removeram roupas de um vendedor terceirizado com uma imagem bem conhecida do Holocausto. As roupas – incluindo camisetas, pulôver e moletons com capuz – estampavam a notória foto do Holocausto, conhecida como O Último Judeu em Vinnitsa, em que um judeu da Ucrânia se ajoelha em frente a uma vala comum, enquanto um oficial nazista aponta uma arma para sua cabeça, momentos antes de atirar.

No entanto outros itens com tema nazista ainda estão disponíveis para compra na Amazon, incluindo camisetas e moletons com fotos de Adolf Hitler e de tropas alemãs invadindo a Polônia. Os vendedores desta linha de roupas, Harma Art, descreveram seus itens como oferecendo uma “grande coleção de designs autênticos” para “se destacar da multidão”.

Esta não foi a primeira vez que itens nazistas e antissemitas foram vendidos no site da Amazon. No mês passado, o Conselho Central de Judeus na Alemanha denunciou a Amazon por permitir a venda de livros antissemitas e mercadorias pró-nazistas, pedindo que a prática parasse imediatamente. Ele destacou livros como “O judeu como parasita mundial”, que foi listado no site por 20 euros e “Judas: O Inimigo do Mundo”, disponível por 10 euros).

Em março de 2017, a Amazon do Reino Unido removeu três livros que negaram o Holocausto após pedidos do Yad Vashem e de um grupo judaico do Reino Unido. Os quatro títulos foram: “Holocausto: a maior mentira já contada”, de Eleanor Wittakers; “O embuste do século XX: o caso contra o suposto extermínio dos judeus europeus”, por Arthur R. Butz e “Seis Milhões Realmente Morrem?” Por Richard Harwood.

O incidente ocorre no momento em que a gigante de vendas on-line global abriu seus negócios em Israel.