Análise de esgoto pode prever surtos de corona

Cientistas da Universidade Ben Gurion, no deserto do Negev, Israel, desenvolveram um método para detectar o coronavírus nas águas residuais, o que poderia ajudar a calcular sua incidência e prever futuros surtos.

Depois de determinar que o vírus SARS-CoV-2 está presente nas fezes e pode ser localizado nas águas de drenagem, uma equipe liderada por Ariel Kushmaro, do Departamento de Engenharia de Biotecnologia, acredita que essa metodologia pode ser adicionada às análises realizadas na água residual, para determinar com mais precisão a extensão do contágio no momento e para alertar sobre futuros surtos.

A equipe estudou várias amostras de águas residuais coletadas de estações de tratamento de esgoto em Tel Aviv, e encontrou uma maior concentração do vírus nos bairros onde a incidência havia sido maior, como é o caso de Bnei Brak.

Assim, consideram que um estudo dessas águas pode indicar a disseminação do vírus de maneira mais precisa do que com os indicadores que são usados agora.

No momento, não se sabe se o vírus localizado nessas águas pode ser uma fonte de contágio. Outros coronavírus, como o SARS, só sobreviveram em águas residuais abaixo de 20 graus Celsius. Esta questão é especialmente importante em um país como Israel, pioneiro na reutilização da água de irrigação.

Fonte: Aurora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *