Áustria prende rapper que glorificava o nazismo

As autoridades austríacas prenderam um rapper acusado de divulgar canções neonazistas, uma das quais foi usada por um homem que transmitiu ao vivo um ataque antissemita na Alemanha, onde morreram duas pessoas.

Durante a busca, a polícia apreendeu uma mesa de mixagem, discos rígidos, armas, uma bandeira militar da era do Terceiro Reich e outros objetos nazistas.

Oficiais de inteligência austríacos vinham tentando, há meses, desmascarar o rapper, que usava o pseudônimo de Sr. Bond e postava em fóruns neonazistas, desde 2016.

O suspeito, que vem da região sul da Caríntia, foi detido por supostamente produzir e divulgar ideias nazistas e incitação ao ódio.

LEIA TAMBÉM

“As palavras de suas canções glorificam o nacional-socialismo (nazismo) e são antissemitas, racistas e xenófobas”, disse a declaração do Ministério do Interior.

Em postagens em fóruns online nos Estados Unidos, o rapper comparou o homem por trás do tiroteio de Christchurch em 2019 que matou 51 pessoas em uma mesquita da Nova Zelândia a um santo e traduziu seu manifesto racista para o alemão.

Em setembro passado, uma investigação do diário austríaco Der Standard e da emissora pública alemã ARD disse que o músico vinha convocando membros de fóruns online neonazistas e grupos de bate-papo para realizar ataques terroristas por vários anos.

Eles também relataram que sua música foi usada como trilha sonora para o ataque transmitido ao vivo em Halle, quando um homem matou duas pessoas após uma tentativa fracassada de invadir a sinagoga.

Durante seu julgamento pelo ataque, no ano passado, Stephan Balliet, de 28 anos, disse que escolheu a música como um “comentário sobre o ato”. Em dezembro, um tribunal alemão o condenou à prisão perpétua.

“A luta contra o extremismo de direita é nossa responsabilidade histórica”, disse o ministro do Interior da Áustria, Karl Nehammer. Promover a ideologia nazista é um crime na Áustria, país onde nasceu Adolf Hitler.