Autoridades locais decidirão sobre transporte no Shabat

O governo israelense aprovou por unanimidade, neste domingo, a proposta da ministra dos Transportes, Merav Michaeli, de dar às autoridades locais o poder de tomar suas próprias decisões em relação ao transporte público, inclusive sobre a polêmica questão das operações de transporte no Shabat.

Um dos debates mais acalorados, à medida que a inauguração da primeira linha de trem leve no centro de Israel se aproxima, é se o trem leve de Tel Aviv deve ou não operar no Shabat.

Hoje, o transporte público opera no Shabat em algumas cidades israelenses, incluindo a cidade mista de Haifa, a região da Galileia e comunidades não judaicas. Há também ônibus que partem das cidades do norte e do sul, como Kiryat Shmona e Eilat, para o centro na tarde de sábado.

No entanto, na maioria das cidades do país, o transporte público para algumas horas antes do anoitecer de sexta-feira e recomeça na noite seguinte.

Assim, para alguns israelenses religiosos, o funcionamento do trem leve no Shabat é inconcebível. Para outros, é indispensável. Os israelenses poderão aproveitar a praia e as muitas atividades que Tel Aviv tem a oferecer sem ter que se preocupar em encontrar uma vaga de estacionamento ou pagar por táxis.

“A situação atual é simplesmente arbitrária. Por que a linha de ônibus 845 pode sair de Kiryat Shmona nas tardes de sábado? O que torna essa linha única?” disse Uri Keder, CEO do Free Israel, o movimento de base mais significativo em liberdade religiosa e pluralismo.

LEIA TAMBÉM

“Que direito têm as pessoas de Eilat ou Kiryat Shmona de viajar mais facilmente aos sábados do que as de Ra’anana ou Hod Hasharon? O trem leve é um sinal de normalidade e progresso e, de repente, estamos retrocedendo. Isso é incompreensível”.

O porta-voz da prefeitura de Haifa, Eliran Tal, disse: “Haifa, por exemplo, é um modelo de respeito pelo outro. Desde o estabelecimento do estado, o status quo foi mantido”.

Aqueles que defendem o funcionamento o transporte público no Shabat alegam que não operar o transporte público no Shabat no resto do país é caro para a população. Idosos, jovens sem habilitação ou pessoas sem carro estariam  em grande desvantagem, por exemplo, para chegar ao hospital ou à delegacia.

Também prejudicaria a economia e, do ponto de vista ambiental, seria um desastre, pois os carros circulam em maior quantidade nos finais de semana.

“Há engarrafamentos em todas as horas do dia, muita poluição do ar, falta de estacionamento e muita frustração geral. A chegada do metrô leve é ​​uma oportunidade para mudar as regras do jogo”, diz o Dr. Guy Shani, professor da Escola de Ciências Comportamentais e do Departamento de Psicologia da Faculdade de Administração.

No mês passado, a ministra dos Transportes, Merav Michaeli, pediu à NTA, empresa responsável pelos sistemas de transporte público, que avaliasse a possibilidade de operar o trem leve de Tel Aviv no Shabat, o que aliviaria o congestionamento do tráfego e traria serenidade a grande parte da população.

Fonte: i24News
Foto: Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.