Israel e Catar negociam escritório temporário na Copa

Israel e Catar, país-sede da próxima Copa do Mundo em novembro, iniciaram conversas diretas visando a abertura de um escritório temporário em Doha, para apoiar os torcedores israelenses durante a Copa do Mundo.

No entanto, de acordo com reportagens do Times of Israel, as negociações entre os dois países, que não têm relações diplomáticas oficiais, mas têm ligações militares há muito tempo, estão paralisadas em torno da questão dos palestinos.

O Catar pediu a Israel que também permita que os palestinos viajem livremente e sem restrições ao torneio de futebol. As negociações ainda estão em andamento e atualmente não há um acordo final.

Em junho, Israel assinou um pacto com a FIFA, órgão que rege o futebol mundial, para permitir que seus cidadãos comprem ingressos para o torneio e entrem no Catar, onde serão admitidos pela primeira vez sem ter que usar um passaporte não-israelense. De acordo com as últimas estimativas, pelo menos 10.000 torcedores israelenses devem viajar para o Catar para o torneio.

Nos compromissos firmados com a FIFA por ocasião da escolha do Catar para sediar a Copa do Mundo de 2022, Doha havia concordado em acolher e garantir o mesmo tratamento a todas as nações do mundo, sem omissão de nome ou bandeira.

No entanto, os torcedores que possuem ingressos para assistir aos jogos devem solicitar um cartão chamado “hayya”, o equivalente a um documento de identificação exclusivo para torcedores e também usado como visto de entrada no Catar.

LEIA TAMBÉM

Ao contrário de outras nações do Golfo, como Bahrein e Emirados Árabes Unidos (EAU), que assinaram acordos para normalizar as relações, Doha condicionou a abertura de canais diplomáticos oficiais ao nascimento de um Estado palestino com plenos direitos.

É precisamente a questão dos palestinos que, pelo menos por enquanto, tem travado as negociações para a abertura de uma representação provisória durante a competição desportiva.

Doha, de fato, exige que também os palestinos possam circular e entrar livremente para assistir aos jogos e isso pressupõe o aval das autoridades israelenses para cruzar as fronteiras com a Samaria e Judeia, Jerusalém Oriental e Gaza.

Embora as negociações já tenham ocorrido, o gabinete do primeiro-ministro israelense desmentiu os rumores de contato direto entre Yair Lapid e a liderança do Catar sobre o assunto.

Um funcionário que pediu anonimato deixou claro que uma solução será encontrada, antes do início do torneio, agendado de 20 de novembro a 18 de dezembro. No passado, houve um escritório diplomático israelense no Catar, que foi fechado em 2008 após a ofensiva lançada na Faixa de Gaza.

Hoje, embora não tenham relações oficiais, Israel e Catar têm fortes laços e estreita cooperação em segurança, e representantes do Mossad visitam frequentemente o país árabe, em particular para coordenar a transferência de ajuda do Catar para Gaza.

Fonte: AsiaNews
Foto: site FIFA