Terror online é o maior desafio à democracia israelense

O diretor do Shin Bet (Agência de Segurança de Israel), Ronen Bar, disse, no domingo, que a ameaça de influências de algoritmos de mídia social que viralizam postagens terroristas é o desafio mais complexo que sua agência enfrenta ao defender Israel como uma democracia.

Bar diz que a incitação nas mídias sociais é um grande desafio para a agência de segurança, pois é difícil impedir que algoritmos ecoem conteúdo incitante que atinge jovens facilmente influenciáveis.

“É um novo campo de batalha para as agências de segurança. Traz mais pessoas para o terrorismo e desafia as ferramentas que temos para combater o terrorismo. Grupos terroristas identificaram isso e sabem como causar ataques repetidos e influenciar outros”, disse Bar em uma conferência na Universidade Reichman, de Herzliya.

Bar disse que combater o incitamento online é especialmente difícil, pois a agência precisa salvaguardar a democracia de Israel e não prejudicar a liberdade de expressão.

Ao fazer uma revisão das eras passadas da guerra convencional, da corrida armamentista nuclear e do terror físico, ele disse que a era atual permitiu que os terroristas reduzissem a vantagem que os estados normalmente têm contra suas organizações isoladas menores.

Ele disse que os terroristas online são capazes de minar o compromisso das populações em geral dos países ocidentais com suas próprias nações, bem como abalar seu domínio sobre o que é fato e o que é verdade.

LEIA TAMBÉM

Para lutar contra essas tendências de terror da mídia social, ele disse, “a tecnologia da informação deve se transformar em gerenciamento de informações”, o que significa que grandes recursos são investidos na arena tecnológica que abrange todos os aspectos de uma agência de inteligência.

Segundo Bar, Israel deve “atualizar sua definição do que é considerado infraestrutura crítica”, acrescentando que “não é possível que os hospitais não sejam considerados infraestrutura crítica e não tenham recursos e defesas suficientes” para não serem hackeados.

“É crucial desenvolver uma integração de especialistas tecnológicos em diferentes áreas cibernéticas e outras”, disse ele. Esses especialistas terão que lidar com diferentes ameaças de mídia social que atingem a população palestina, bem como outras ameaças de mídia social que atingem os xiitas em toda a região.

Fontes: The Jerusalem Post e The Times of Israel
Foto: Canva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.