Bennett quer expandir a lista de países vermelhos

O primeiro-ministro Naftali Bennett planeja pedir ao gabinete que expanda a lista “vermelha” – de países para onde está proibido voar de Israel – para a maior parte do mundo, incluindo Estados Unidos e Canadá, em uma tentativa de impedir a entrada da variante altamente infecciosa Omicron, relatou na sexta-feira no Canal 12.

No entanto, espera-se que Bennett enfrente oposição de alguns de seus ministros sobre esta medida drástica, observando que o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, é a favor de um plano mais moderado.

“Os ministros que votarem contra as medidas serão os responsáveis ​​pelo surto. Espero que todos os ministros entendam a seriedade da situação e não cedam à pressão da opinião pública ou de grupos de pressão”, disse Bennett em uma reunião de conselheiros, na sexta-feira.

Israel acrescentou nove países à lista “vermelha” esta semana: Reino Unido, Dinamarca, França, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Irlanda, Noruega, Finlândia e Suécia

Aqueles que desejam viajar para os países da lista “vermelha” devem primeiro obter permissão especial de um comitê governamental.

LEIA TAMBÉM

Os israelenses que retornam dos países vermelhos são forçados a quarentena em hotéis estatais até que seu primeiro teste COVID dê negativo, após o qual eles podem sair, mas devem permanecer em quarentena domiciliar por sete dias, mesmo se totalmente vacinados.

O gabinete votou na quinta-feira para estender as atuais restrições a viagens, incluindo a proibição de entrada de estrangeiros no país e exigindo que todos os israelenses fiquem em quarentena por três dias após a entrada. As limitações agora vão durar pelo menos até 29 de dezembro.

Os últimos dados sobre coronavírus do Ministério da Saúde divulgados na sexta-feira mostraram 838 novos casos de COVID-19 diagnosticados no dia anterior, o maior número diário em cerca de dois meses.

O número representou um aumento de 181 em relação ao dia anterior, indicando que a pandemia parece estar em uma trajetória ascendente em Israel mais uma vez.

O ministério disse que 45 dos novos casos foram confirmados como sendo da variante Omicron, elevando o número total de casos Omicron em Israel para 134. A maioria dos casos foi encontrada em pessoas retornando do exterior. Havia mais 207 casos prováveis ​, ainda não confirmados.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Revista Bras.il

2 thoughts on “Bennett quer expandir a lista de países vermelhos

Fechado para comentários.