Bibi teria ordenado destruir documentos antes de sair

Uma notícia divulgada, na quinta-feira, pelo jornal Haaretz, afirmou que pouco antes de o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deixar seu gabinete, sua equipe destruiu documentos que estavam guardados em cofres.

Um porta-voz de Netanyahu chamou a notícia de “mentira completa. Nunca aconteceu tal coisa”.

O jornal citou funcionários não identificados que trabalhavam no gabinete de Netanyahu, que disseram terem sido instruídos a rasgar documentos na manhã de domingo, horas antes da coalizão de partidos assumir o poder. Disseram que a ordem viera do próprio Netanyahu.

O Gabinete do Primeiro Ministro, agora chefiado por Naftali Bennett, disse que não tinha conhecimento das alegações, mas iria examiná-las.

De acordo com o Haaretz, os cofres estavam localizados em uma parte do gabinete do primeiro-ministro conhecida como “Aquário”, uma sala onde se reúnem os primeiros-ministros e seus assessores mais graduados.

LEIA TAMBÉM

Embora não se saiba o que havia nos documentos supostamente destruídos, os cofres normalmente continham papéis relacionados aos horários de trabalho dos funcionários graduados, atividades governamentais de rotina e muito mais, relatou o Haaretz.

Por lei, todos os documentos relacionados com o trabalho do governo são propriedade do Estado e devem ser preservados e arquivados. De acordo com o jornal, alguns documentos foram entregues à equipe de Bennett para serem arquivados ou usados ​​conforme necessário.

Membros do novo governo e ativistas buscaram a liberação de transcrições e outros documentos anteriormente mantidos em sigilo, em uma tentativa de conhecer as decisões tomadas por Netanyahu e seu gabinete durante seus 12 anos no poder.

Na quarta-feira, o ministro da Defesa, Benny Gantz, instou Bennett a mudar os regulamentos do governo para permitir a publicação das atas das reuniões do gabinete do coronavírus no ano passado, atualmente reservadas.

Gantz, que fazia parte desse gabinete, disse que a divulgação dos protocolos ajudará o público a entender melhor as decisões tomadas pelo órgão ministerial que liderou os esforços do governo para conter a pandemia, além de responsabilizar os membros do gabinete do coronavírus.

Além de Gantz, o Movimento pela Liberdade de Informação deve entrar em contato com Bennett nos próximos dias para fazer o mesmo pedido de liberação das transcrições das reuniões.

Na segunda-feira, Netanyahu entregou o gabinete e seus poderes formais a Bennett em uma reunião extraordinariamente concisa e curta, que terminou sem uma cerimônia tradicional, aperto de mão ou foto.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Marcia Cherman Sasson (Revista Bras.il)