Posse do novo governo repleta de contratempos

O novo primeiro-ministro, Naftali Bennett, foi desafiador no pódio da Knesset no domingo ao apresentar os ministros de seu novo governo e suas diretrizes em um discurso constantemente interrompido por deputados, questionando-o persistentemente.

A partir do momento em que Bennett começou seu discurso apresentando seu governo, o chefe do Partido Sionismo Religioso Bezalel Smotrich e outros deputados gritaram “vergonha” e agitaram pôsteres de vítimas do terrorismo. Eles foram prontamente retirados do plenário.

“Estou orgulhoso de poder sentar-me em um governo com pessoas com pontos de vista muito diferentes”, disse Bennett aos intrusos furiosos, dizendo que eles claramente acharam difícil abrir mão das rédeas do poder.

Smotrich e seus companheiros do Partido Sionista Religioso, Itamar Ben-Gvir e Orit Struck, todos tiveram que ser escoltados do plenário após seus comentários, embora vários deputados do Likud e outros de direita continuassem gritando em voz alta e interrompendo o discurso de Bennett.

Enquanto Bennett lutava para falar, seus apelos por paciência e unidade entre o público israelense foram abafados pelos gritos de seus rivais. Seus próprios filhos, que estavam sentados na galeria pública, começaram a fazer sinais de coração com as mãos em apoio ao seu pai.

Bennett apelou a todos os lados do espectro político para mostrarem moderação. Ele reclamou que, nos últimos anos, Israel não estava sendo governado da maneira que um país deveria ser.

LEIA TAMBÉM

“O tom alto dos gritos é o mesmo que o fracasso em governar durante o seu mandato”, Bennett retrucou os questionadores do Likud.

Deputados do Shas e do Judaísmo da Torá Unida também importunaram Bennett, chamando-o de mentiroso e trapaceiro, mas Bennett prometeu ajudar o setor haredi (ultraortodoxo), embora seus representantes não fizessem parte de seu governo. Ele prometeu construir uma nova cidade haredi para a crescente população do setor.

Depois de mais dez minutos de caos, May Golan do Likud, Moshe Abutbul do Shas e Yitzhak Pindrus do Judaísmo da Torá Unida também foram retirados do plenário por seus protestos.

O trabalhista Ram Shefa tuitou um vídeo do caos, chamando-o de “constrangimento do Partido Sionista Religioso” e acrescentando “vocês não vão nos impedir, a mudança está a caminho”.

No discurso, Bennett disse que seu governo evitará a nuclearização do Irã e não permitirá o lançamento de foguetes contra cidadãos israelenses da Faixa de Gaza. Ele agradeceu ao governo do presidente dos EUA Joe Biden por seu apoio durante a guerra em Gaza e prometeu trabalhar para manter o apoio dos dois partidos americanos a Israel.

Bennett fez questão de começar seu discurso elogiando o primeiro-ministro de saída, Benjamin Netanyahu, por seu árduo trabalho ao longo dos anos pelo Estado de Israel, e sua esposa, Sara, por sua dedicação. Ele disse que Netanyahu merece crédito por sua atuação junto ao chefe do Ra’am (Lista Árabe Unida), Mansour Abbas. O novo governo tomaria medidas sem precedentes para alcançar o setor árabe, prometeu Bennett.

O ministro das Relações Exteriores e primeiro-ministro suplente Yair Lapid também falou e disse que sua mãe, a autora Shulamit Lapid, fez um esforço especial para vir à Knesset para a ocasião:

“Minha mãe tem 86 anos e não foi fácil pedir a ela que viesse para Jerusalém. Fizemos isso porque presumi que vocês [parlamentares da oposição] fossem capazes de se controlar e agir com respeito neste momento, e que ela pudesse testemunhar uma transição pacífica de poder”, disse Lapid.

“Quando ela nasceu, Israel ainda não existia, Tel Aviv era uma cidade de 30.000 habitantes e não tínhamos um parlamento e eu queria que ela se orgulhasse do processo democrático de Israel. Em vez disso, ela e todos os outros cidadãos israelenses têm vergonha de você e se lembraram novamente por que é hora de substituí-lo”.

“Vou renunciar ao discurso que planejei e, em vez disso, usar esse tempo para me desculpar com minha mãe”, disse ele.

Uma crise foi evitada antes da posse, até o parlamentar Saeed Alharomi, do Ra’am, dizer que votaria a favor do novo governo depois de ameaçar votar contra ele.

O líder do Ra’am, Mansour Abbas, disse aos repórteres da Knesset que “nada” impediria a tomada de posse do novo governo na noite de domingo, dizendo que “todos votaremos a favor do governo”.

Em troca de seu apoio à nova coalizão, Alharomi exigiu que uma cláusula no acordo de coalizão sobre construção ilegal no Negev fosse cancelada.

Netanyahu e Arie Deri pressionaram Alharomi e lhe ofereceram garantias, inclusive sobre a Lei Kaminitz que trata da construção ilegal, em uma última tentativa de fazê-lo votar contra o governo.

Netanyahu teria permanecido no poder se a minúscula maioria da nova coalizão perdesse o apoio de pelo menos um parlamentar em um voto de confiança. Se Alharomi se abstivesse no voto de confiança, os parlamentres árabes poderiam vir em socorro e votar a favor.

O Likud respondeu que seria vergonhoso se o governo fosse formado com o apoio de parlamentares que apoiam terroristas e não reconhecem Israel como um Estado judeu democrático.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Captura de tela

One thought on “Posse do novo governo repleta de contratempos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *