Brasileiro ferido em ataque terrorista vai para reabilitação

A condição de David Anidjar Morel, o segurança civil gravemente ferido em um ataque a tiros em um posto de controle perto de Jerusalém no mês passado melhorou e nesta terça-feira ele foi transferido para o Centro de Reabilitação do Hospital Loewenstein, em Ra’anana.

Na semana passada, o Centro Médico Hadassah disse que David Morel havia recuperado a consciência pela primeira vez.

“Estamos felizes em transferir David para a reabilitação esta manhã e desejamos a ele uma jornada de sucesso”, disse o Dr. Guy Rosenthal, diretor da unidade de terapia intensiva neurocirúrgica do hospital.

Rosenthal disse que Morel chegou ao hospital com um “ferimento muito grave na cabeça” e passou por uma neurocirurgia complexa antes de ser transferido para a unidade de terapia intensiva para estabilizar sua condição.

“Com sua liberação para reabilitação, ele ainda tem um longo caminho a percorrer e esperamos, e desejamos, ver sua condição melhorar ainda mais”, disse Rosenthal.

Depois de imigrar de Belém do Pará, no Brasil em 2017, Morel ingressou nas FDI como soldado solitário, depois se tornou guarda de segurança após sua libertação do exército, segundo sua família.

No ataque ao posto de controle, a  sargento Noa Lazar, foi morta.

LEIA TAMBÉM

O atirador, Udai Tamimi, fugiu do local e foi morto 11 dias depois ao tentar cometer outro ataque em um posto de controle perto da entrada da cidade de Ma’aleh Adumim, deixando um segurança levemente ferido.

Na segunda-feira, os promotores apresentaram acusações contra dois homens de Jerusalém Oriental por fornecerem a Tamimi a arma usada nos ataques.

De acordo com a acusação, Tamimi inicialmente comprou a arma e dois pentes de um conhecido, Nader Abu Rajib. Tamimi deu a arma para outro conhecido, Ammar Allahaliya, 25, por segurança, antes de voltar para pegá-la de volta para usar no ataque mortal.

Abu Rajib e Allahaliya foram acusados ​​de vários crimes com armas. Os promotores pediram que eles fiquem detidos até o final do processo judicial.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Hospital Hadassah (cortesia)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *