Chefe da Inteligência Militar diz que Irã pode atacar Copa

O chefe da Inteligência Militar disse, nesta segunda-feira, que o Irã estaria considerando um ataque à Copa do Mundo no Catar, já que enfrenta uma pressão crescente e protestos contra o regime em todo o país.

Falando em uma conferência no Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS) em Tel Aviv, o major-general Aharon Haliva disse que os protestos que varrem o Irã são “extremamente excepcionais” e se transformaram em uma “rebelião civil”.

Segundo Haliva, a única coisa que impede Teerã de interromper os jogos é a preocupação com a reação do Catar.

“O número de mortos, os ataques a símbolos nacionais, isso é muito preocupante para o regime, especialmente combinado com as sanções, a pressão internacional existente e a difícil situação econômica”, disse ele.

Os protestos foram desencadeados pela morte de uma jovem, Mahsa Amini, após sua prisão pela polícia moral em Teerã em setembro, e desde então se espalharam por todo o país. As autoridades responderam com uma repressão que o grupo Iran Human Rights, com sede em Oslo, diz ter deixado quase 400 pessoas mortas, meia dúzia condenadas à morte e mais de 15.000 presos.

“Há uma preocupação real dentro do regime de que isso o ponha em perigo. Nesta fase, não vejo risco para o regime, mas à medida que a pressão sobre o Irã aumenta, incluindo pressão interna, a resposta iraniana é muito mais agressiva, então devemos esperar respostas muito mais agressivas na região e no mundo”, disse Haliva.

“Estou dizendo que os iranianos agora estão pensando em atacar a Copa do Mundo no Catar também”, disse ele. “A única coisa que os impede é como os catarianos vão reagir”.

Ecoando os comentários de Haliva, o ministro da Defesa, Benny Gantz, alertou que o Irã pode atacar a Copa do Mundo para causar instabilidade regional.

LEIA TAMBÉM

“O Irã está tentando preservar a instabilidade como algo constante. Em um momento em que o mundo ao redor está estável e próspero, isso é o oposto do que está acontecendo dentro do Irã”, disse Gantz, falando no início da reunião semanal de seu partido Unidade Nacional, na Knesset.

“A Copa do Mundo provavelmente será um daqueles eventos em que tenta causar instabilidade”, acrescentou.

Usando termos do futebol quando a Copa do Mundo começou no domingo, Haliva disse: “O Irã está em todo o campo, de armas nucleares a tumultos”.

Ele disse que o Irã intensificou as ações ofensivas no ano passado, observando um recente ataque de drones a um petroleiro de propriedade de Israel na costa de Omã.

“Desde o início de 2022, contamos, incluindo ataques cibernéticos, cerca de 100 operações realizadas pelos iranianos”, disse Haliva.

“Em Londres, eles estão se preparando para um ataque iraniano e sabem do que estão falando. Os EUA estão se preparando para o terror iraniano. Não estou convencido de que o resto do mundo entenda o poder que os iranianos trazem para o nível global”, disse ele.

“Reconhecemos as impressões digitais iranianas também na arena palestina”, disse Haliva, referindo-se aos repetidos ataques a tiros contra as tropas israelenses e aos ataques planejados por grupos terroristas na Samaria e Judeia.

“O pensamento é que isso pode manter Israel ocupado às custas de outras coisas. Londres, Jenin e Nablus são a mesma coisa na visão iraniana”, disse ele.

Em relação às negociações nucleares paralisadas do Irã, Haliva disse que Teerã fez “progressos significativos” na produção de urânio enriquecido a 90%.

“Está chegando o momento em que o maior teste da comunidade internacional virá à tona, quando o Irã entreter [a ideia de] enriquecimento a 90%, mesmo que apenas simbolicamente”, disse ele.

“Eu me pergunto o que a comunidade internacional fará quando o Irã começar o enriquecimento a 90%”, disse ele.

Haliva disse que a viagem de cinco dias do chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel, Aviv Kohavi, aos EUA, focada na ameaça iraniana, ocorre em um momento “crítico”.

Ele disse que se Israel precisar atacar as instalações nucleares de Teerã, “eu ficaria feliz se os EUA estivessem ao nosso lado”.

À luz da crescente incerteza quanto ao retorno do Irã ao acordo nuclear de 2015 com as potências mundiais em meio a negociações há muito paralisadas, nos últimos dois anos, as FDI intensificaram seus esforços para preparar uma possível ameaça militar contra as instalações nucleares de Teerã.

As negociações patrocinadas pela União Europeia estão em andamento há mais de um ano para trazer os EUA de volta ao acordo nuclear de 2015 com o Irã, conhecido como Plano de Ação Conjunto Abrangente.

O acordo, assinado entre o Irã e os EUA, Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia, se desfez desde que o governo Trump se retirou em 2018. Os EUA reimpuseram duras sanções e o Irã respondeu abandonando muitos de seus próprios compromissos com o pacto, também aumentando seu enriquecimento de urânio para níveis muito além dos limites do acordo.

O Irã agora enriquece urânio com até 60% de pureza, um nível que nunca havia alcançado antes, e um pequeno passo técnico para o enriquecimento de 90%. Embora o Irã mantenha há muito tempo que seu programa é pacífico, especialistas em não-proliferação alertam que Teerã tem urânio enriquecido em 60% suficiente para reprocessar em combustível para pelo menos uma bomba nuclear.

Israel há muito pressiona os EUA a preparar uma opção militar confiável, e o presidente dos EUA, Joe Biden, disse em julho que estaria preparado para usar a força, se necessário, para impedir o Irã de obter uma arma nuclear.

Fonte: The Times of Israel
Foto: @INSSIsrael (Twitter)

One thought on “Chefe da Inteligência Militar diz que Irã pode atacar Copa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *