Cientistas cultivam esperma em laboratório

Pesquisadores em Israel desenvolveram um microchip de silicone que pode ajudar a cultivar esperma humano em laboratório.

A tecnologia foi testada com sucesso em camundongos e pode eventualmente ser eficaz na resolução de problemas de infertilidade masculina.

Uma equipe da Universidade Ben-Gurion do Negev, trabalhando em colaboração com um grupo de pesquisa do Technion – Instituto de Tecnologia de Israel, diz que, no futuro, o tecido poderá ser retirado de meninos pacientes com câncer, submetidos à quimioterapia agressiva, ou homens com certos problemas de infertilidade, e usado para produzir esperma.

A equipe já desenvolveu um procedimento para a criação de espermatozoides para camundongos imaturos em laboratório e agora está se preparando para a próxima fase: aplicar o experimento em células de humanos.

O esperma do camundongo está sendo cultivado usando um sistema microfluídico que contém um microchip feito de PDMS (polidimetilsiloxano) que foi especialmente adaptado para o estudo.

“Este estudo abre um novo horizonte no processo de criação de espermatozoides em uma cultura”, disse o professor Mahmoud Huleihel, do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Genética Shraga Segal, da Faculdade de Ciências da Saúde da universidade.

“Ele permite a implementação de tecnologias baseadas em microfluidos em futuras estratégias terapêuticas para homens inférteis e na preservação da fertilidade para crianças submetidas a tratamentos agressivos de quimioterapia/radioterapia que podem prejudicar sua fertilidade na puberdade.

LEIA TAMBÉM

“Além disso, este sistema também pode servir como uma plataforma inovadora para examinar o efeito de drogas e toxinas na fertilidade masculina”.

Camundongos jovens demais para produzir espermatozoides foram o modelo que permitiu à equipe simular um ambiente natural para o crescimento de espermatozoides no testículo.

Eles construíram um sistema completo contendo canais que permitem a adição de células de crescimento, células dos testículos ou quaisquer outras células dos tecidos do corpo.

A cultura foi testada após cinco a sete semanas e foram observadas estruturas semelhantes a tubos de sêmen, contendo células em estágio avançado no processo de formação de espermatozoides.

Huleihel disse que eles precisavam ter certeza de que o método de produção de esperma evitaria o risco de devolver as células cancerosas ao corpo do paciente.

A pesquisa foi publicada recentemente na revista revisada por pares Biofabrication.

Fonte: United With Israel

2 thoughts on “Cientistas cultivam esperma em laboratório

Fechado para comentários.